Bode na Sala
Destaque Especiais Filmes Netflix

Dica de Quinta | Cinco filmes premiados por seus figurinos disponíveis na Netflix

Dica de Quinta | Cinco filmes premiados por seus figurinos disponíveis na Netflix

Um dos fatores mais importantes na produção de um filme certamente é a escolha de figurino, porque a partir dela já é possível se ambientar e saber em que época a história se passa, local, e, até mesmo, qual o estado de espírito do personagem em determinadas cenas. Todos os anos, desde 1948, a Cerimônia do Oscar elege as melhores adaptações de figurinos do cinema. Até 1966, a premiação surtia em dobro, pois havia uma distinção entre filmes coloridos e preto-e-branco, que foi abandonada em 1967, moldando o prêmio em uma estatueta única para a categoria, como funciona até hoje. Nesta Dica de Quinta, o Bode na Sala selecionou os cinco filmes que renderam o Oscar de Melhor Figurino que estão disponíveis na Netflix!

Confira abaixo:


  • Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança (1977)

O primeiro filme da saga Star Wars foi revolucionário para sua época, em plenos anos 70, surgia então uma história fantasiosa que envolvia alienígenas, naves e um universo totalmente novo. Quando pensamos nesse filme, não tem como não lembrar do figurino dele como um dos destaques, uma vez que é adorado e copiado por cosplayers no mundo inteiro. Entretanto, você sabia que a ideia dos trajes era justamente não chamar atenção? O diretor George Lucas pediu a John Mollo, figurinista do Episódio IV, que criasse trajes introspectivos e discretos, para que o foco do público se mantivesse nos diálogos entre personagens e nas cenas de ação. Mollo confeccionou as vestes da princesa Leia (Carrie Fisher) e de Obi-Wan Kenobi (Alec Guinnes) baseadas em vestimentas religiosas; Luke Skywalker (Mark Hamill) foi elaborado com tecidos simples, compondo uma imagem de camponês, e Han Solo (Harrison Ford) partindo de um estilo que evidenciava mais atitude, inspirado pelo dandismo. 


  • Shakespeare Apaixonado (1998)

O Oscar de 1998 ficou muito marcado aqui no Brasil por ser o ano em que a brasileira Fernanda Montenegro perdeu a estatueta de Melhor Atriz para Gwyneth Paltrow por Shakespeare Apaixonado. Pode ser que essa tenha sido uma escolha equivocada da acadêmia, mas há de se ressaltar que acertaram em dar o prêmio de Melhor Figurino para Sandy Powell, afinal, seu trabalho neste longa foi impecável. Para o desenvolvimento dos trajes, a figurinista recriou a moda elisabetana minuciosamente, usou os mesmos tecidos e modelagem que eram populares na época. Além da apuração histórica, o vestuário também foi pensado sobre a semiótica, uma vez que o filme retrata obras de Shakespeare, Powell buscou traduzir alguns poemas do autor em referências visuais no figurino, como no momento em que a protagonista Viola (Gwyneth Paltrow) usa um vestido dourado, composto por um rufo que lembra raios de sol, fazendo alusão ao verso “A um dia de verão, como hei de comparar-te?”.


  • O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003)

Baseado no último volume da trilogia de J.R.R. Tolkien, O Retorno do Rei foi o único filme da franquia O Senhor dos Anéis que bateu recorde de Oscars, levando 11 estatuetas para casa, dentre elas, a de Melhor Figurino, que não havia sido alcançada pelos títulos anteriores da saga. Os responsáveis por isso foram Ngila Dickson e Richard Taylor, que tiveram um trabalho imenso para com o longa, pois o filme conta com mais de 19 mil figurinos, um número realmente impressionante! Para ter uma ideia, o personagem Frodo (Elijah Wood) tem cerca de 64 trocas de roupa no decorrer da película. Por serem tão detalhadas, muitas peças foram confeccionadas manualmente, cada cota de malha (utensílio medieval feito com entrelaçamento de argolas de metal, utilizado como proteção corporal), levou três dias para ficarem prontas, contabilizando um total de 13 mil argolas por armadura.


  • Elizabeth: A Era de Ouro (2007)

Para o desenvolvimento das roupas de acordo com cada cena de Elizabeth: A Era de Ouro, a figurinista Alexandra Byrne não apenas se baseou na aproximação histórica, mas também levou em consideração o temperamento dos personagens no decorrer da trama, fazendo uso da psicologia das cores para evidenciar suas mudanças de humor, demonstrando, por exemplo, o vermelho relacionado a poder e ousadia, e o verde para momentos de angústia. O filme é uma sequência de Elizabeth de 1998, ambos são dirigidos por Shekhar Kapur, entretanto, essa continuação não tem o mesmo ritmo do primeiro, e o roteiro do longa se torna realmente mais atraente por mostrar esse cuidado estratégico com o figurino, além da bela atuação de Cate Blanchett no papel da rainha. 


  • Alice no País das Maravilhas (2010)

A figurinista Colleen Atwood estudou bastante o roteiro para criar os figurinos de Alice no País das Maravilhas e ainda contou com o apoio dos sketches que o próprio diretor Tim Burton fez para ilustrar como ele imaginava o vestuário de cada personagem. Atwood não apenas redesenhou cada um dos croquis de Burton, como também teve a percepção de adaptar outras características que são marcas registradas do diretor na composição do figurino, incluindo nos personagens alguma impressão sombria. As vestes da Alice (Mia Wasikowska) vão se alterando de acordo com sua caminhada pelo mundo mágico em que ela adentra, se adequando aos momentos pelos quais passa. Já com relação à Rainha de Copas, Colleen teve que pensar o figurino levando em consideração a computação gráfica pela qual ele seria atingido também, e com isso ajudou a dar forma na figura desproporcional vivida por Helena Boham Carter, criando uma gola que dava a percepção de que sua cabeça era ainda maior.


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.
Designer de moda e redatora gaúcha, vivendo em São Paulo. Interessada por arte e cultura pop em suas mais diversas áreas. Por ser uma romancista entusiasta, curte assistir adaptações literárias para o cinema, e pela ligação acadêmica com figurino, longas de época ocupam o topo da sua lista de filmes favoritos. Além disso, possui o super poder inútil (?) de guardar com facilidade nomes de artistas e apontar suas participações em produções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close