Bode na Sala
Destaque Especiais Filmes

Não se censura o amor: 13 lindos beijos LGBT no cinema

Não se censura o amor: 13 lindos beijos LGBT no cinema

Para alguns, a imagem de dois personagens do mesmo sexo se beijando causa revolta. Para outros, é motivo de censura. Para nós, havendo amor e/ou consentimento, um beijo é algo lindo.

Por conta disso, resolvemos separar 13 beijos entre duas pessoas do mesmo sexo no cinema, que foram importantes para a sétima arte, emocionantes ou só bonitos mesmo.

Confira:

  • Asas (1927)

Asas foi o primeiro vencedor do Oscar de Melhor Filme, e também foi o primeiro filme da história a trazer um beijo entre duas pessoas do mesmo sexo. A cena foi protagonizada por Buddy RogersRichard Arlen, que no longa mudo interpretam dois amigos pilotos de avião da Primeira Guerra Mundial. Mesmo sendo apenas um selinho, a cena foi bastante debatida na época.


  • República dos Assassinos (1979)

Em terras tupiniquins, o primeiro beijo gay no cinema aconteceu há 40 anos, entre Tonico Pereira e Anselmo Vasconcellos, em República dos Assassinos, do diretor Miguel Faria Jr. A trama, que é protagonizada por Tarcísio Meira e se passa no Rio de Janeiro, conta a história do grupo Esquadrão da Morte, que chocou pelo requinte de violência em seus atos, provocando uma onda de reações por todo o país.


  • Meninos Não Choram (1999)

Este é um filme baseado na história real de Brandon (Hilary Swank), retratando a empreitada deste jovem homem transgênero para se afirmar e criar sua imagem/identidade masculina. É um filme que reflete sobre o que é “crise de identidade sexual”, na visão dos que reprimem e enquadram, e o que é autodescoberta e construção de si. Hilary Swank entrega ao Brandon uma ótima atuação, explorando bem todas as camadas que o personagem apresenta. Ele se envolve em romances, brigas, corridas de carro, e diversas aventuras no seu processo formativo tentando estabelecer conexões e se sentir incluído num mundo que o exclui por não procurar compreendê-lo. Esta obra é relevante para pensar sobre os embates pessoais ratificados por uma sociedade machista em que o patriarcado impera outorgando papéis sociais para homens e mulheres, desconsiderando se foram socializados nesse gênero ou não, e que as diferenças, mesmo que sutis, envolvem a todos, cada um com suas particularidades, sujeito múltiplo em si mesmo. A princípio, a personagem Lana (Chloë Sevigny) pensa que Brandon é um homem cisgênero e acaba se apaixonando por ele; o casal se beija apaixonadamente e a verdade vem à tona durante o ato sexual, porém, isso não impede que a jovem continue amando, o que torna o sentimento entre os dois ainda mais verdadeiro.


  • E Sua Mãe Também (2001)

O filme de Alfonso Cuarón acompanha Julio (Gael García Bernal) e Tenoch (Diego Luna), dois melhores amigos irresponsáveis que saem em uma road trip prontos para trair as namoradas. A dupla convence Luisa (Maribel Verdú), uma mulher mais velha e constantemente traída pelo marido, a viajar com eles. Os dois se atraem por ela e acabam brigando por ela e expondo segredos que colocam em risco a amizade de longa data. Após a reconciliação em um bar, Luisa beija Júlio e Tenoch, que acabam se beijando também em uma cena surpreendente e muito, muito reveladora.


  • Carandiru (2003)

Há mais de 15 anos, o Brasil ia assistir nos cinemas uma de suas grandes obras: Carandiru, de Hector Babenco. E, no filme, entre grandes personagens e atores, destaca-se Lady Di, travesti vivida por Rodrigo Santoro. Na trama, ela se apaixona por Sem Chance (Gero Camilo) e, mais adiante, eles acabam se casando na prisão e protagonizam o único beijo de todo o filme. Um momento de amor dentro de um filme pesado e triste.


  • O Segredo de Brokeback Mountain (2004)

Nos anos 1960, Jack Twist (Jake Gyllenhaal) e Ennis del Mar (Heath Ledger), são dois jovens vaqueiros que se conhecem e se apaixonam enquanto trabalham juntos em um serviço de pastoreamento de ovelhas na montanha de Brokeback. No entanto, após cumprirem o serviço, eles precisam voltar para suas vidas. Assim, eles ficam afastados por anos, até que acabam retomando contato e, quando Jack vai a casa de Ennis (ambos estão casados com mulheres), a dupla não resiste e acaba protagonizando um intenso beijo (flagrado pela esposa de Ennis). O filme, dirigido por Ang Lee, é espetacular.


  • J. Edgar (2011)

O implacável J. Edgar Hoover (Leonardo DiCaprio) foi uma das figuras mais importantes na história dos Estados Unidos. O agente transformou o FBI no que ele é hoje o comandando com mão de ferro. Um grande exemplo de masculinidade, ele mantinha um segredo privado. Em uma briga com o colega Clyde Tolson (Armie Hammer), Hoover é derrubado no chão e beijado pelo amigo no momento mais marcante do esquecível filme.


  • Carol (2015)

Carol (Cate Blanchett) e Therese (Rooney Mara) já se conhecem há algum tempo, e passar o tempo uma com a outra se tornou algo recorrente em suas vidas. Na virada de 1951 para 1952, elas fazem uma viagem pelos Estados Unidos, e o primeiro beijo entre o casal acontece no quarto de um hotel, logo no comecinho do novo ano. O beijo é antecedido por um diálogo sobre solidão, em que Carol conta que seu marido nunca passou o ano novo com ela, enquanto Therese diz que sempre passou sozinha em meio a multidões. Logo em seguida, elas se entreolham e o tão esperado beijo acontece.


  • Moonlight (2016)

Chiron (Ashton Sanders) passou vida inteiro sendo oprimido por sua orientação sexual. O constante alvo de bullying na escola, fica isolado e só tem um único amigo, Kevin (Jharell Jerome). Uma noite, os dois se encontram na praia e começam a se abrir sobre os seus sentimentos. Kevin beija Chiron passionalmente e os dois dividem a primeira experiência sexual do protagonista, que nunca conseguiu se relacionar com outra pessoa.


  • A Criada (2016)

Sook-hee foi contratada pelo Conde para ser a empregada de uma prestigiada família japonesa e fazer com que a Lady Hideko, única herdeira da fortuna, se apaixonasse pelo Conde, que pretende casar com ela e prendê-la em um hospício, ficando com toda a herança. Com a convivência, as duas mulheres se apaixonam e colocam em risco o plano.


  • Com Amor, Simon (2018)

Com uma trama leve e uma história que aquece o coração, Com Amor, Simon causa, durante a sua projeção, a ansiedade pelo tema principal deste especial: o beijo. Após diversos problemas, o protagonista, já nos minutos finais do filme, consegue, finalmente, encontrar com o seu par ideal e dar o tão aguardado beijo. Um filme adolescente, mas com uma enriquecedora mensagem para todos.


  • Desobediência (2018)

Ronit (Rachel Weisz) e Esti (Rachel McAdams) são duas amigas de infância que crescendo em uma conservadora comunidade judia. Com o passar dos anos, Esti se casou e Ronit continuou solteira para seguir com a sua carreira de fotógrafa. Quando as duas se reencontram, os sentimentos que uma sentia pela outra ficam à flor-da-pele e em uma simples caminhada, as duas cedem ao desejo e se beijam na rua em plena luz do dia.


  • A Favorita (2018)

A Rainha Anne (Olivia Colman) é uma figura trágica e solitária, que encontra em sua única amiga, Sarah Churchill (Rachel Weisz), sua confidente para todos os assuntos. Quando a prima de Sarah, Abigail (Emma Stone) é empregada no castelo, era vira amiga da Rainha e Sarah se sente ameaçada. Abigail não contava que, Anne e Sarah fossem também amantes, ao testemunhar as duas se beijando na biblioteca.


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.

João Vitor Hudson

João Vitor Hudson é um publicitário aos 22 anos. Ama cinema desde quando desejava as férias escolares só pra assistir todos os filmes do Cinema em Casa e da Sessão da Tarde. Ama o MCU, e confia bastante no futuro da DC nos cinemas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close