Bode na Sala
Destaque Filmes Notícias

Se Geórgia restringir aborto, Disney e Netflix ameaçam deixar de filmar no Estado norte-americano

Se Geórgia restringir aborto, Disney e Netflix ameaçam deixar de filmar no Estado norte-americano

Com apenas algumas horas de diferença, Disney e Netflix comunicaram que podem parar de fazer filmes e séries no estado de Geórgia, se a lei que proíbe o aborto for aprovada. Localizado no sudeste dos Estados Unidos, colado na Flórida, o local recebeu as gravações de Vingadores: Ultimato e Stranger Things, por exemplo.

De acordo com a BBC, lei, se aprovada, impede que as mulheres façam o procedimento assim que um médico encontrar o batimento cardíaco do feto. A proibição é controversa, especialmente considerando que a detecção de batimento cardíaco pode ocorrer por volta das seis semanas de gravidez, quando muitas mulheres nem sequer sabem que estão grávidas.

O CEO da Disney, Bob Iger, afirmou à Reuters que seria “muito difícil” continuar filmando no Estado. A empresa gravou por lá Pantera Negra e Vingadores: Ultimato, por exemplo. O executivo da empresa do Mickey contou, ainda, que a companhia quer “trabalhar no Estado, mas teremos que atender às solicitações nesse sentido. Neste momento, lidamos com isso com muito cuidado”.

A Variety, por sua vez, publicou declarações de Ted Sarandos, diretor de conteúdo da Netflix, que poderá seguir pelo mesmo caminho da Disney. “A Netflix reconsideraria seus investimentos na Geórgia, se a lei entrar em vigor. Temos muitas mulheres que trabalham em produções no Estado, cujos direitos, com o de milhões de outras, serão severamente restringidos por essa lei. Como a legislação ainda não foi implementada, continuaremos a filmar lá, além de apoiar parceiros e artistas que optarem por não fazê-lo”, disse.

No caso da Netflix, as declarações ocorreram depois que a organização soube que duas das estrelas de suas séries, Jason Bateman, de Ozark, e Alyssa Milano, de Insatiable, disseram que parariam de filmar no Estado se a lei entrasse em vigor.

Além de Bateman e Milano, atores como Amy Schumer, Ben Stiller, Christina Applegate, Laverne Cox e Alec Baldwin escreveram ao governador do Estado para dizer que fariam tudo que estivesse ao alcance deles para levar a indústria a um Estado mais seguro para as mulheres. Kristen Wiig também confirmou à CNN que seu novo filme de comédia teve a filmagem na Geórgia cancelada.

A Geórgia oferece crédito fiscal, o que atrai muitas produções cinematográficas e de TV. A indústria é responsável por mais de 92 mil empregos no Estado, de acordo com a Associação de Cinema da América (MPAA). Apenas em 2018, 455 obras, entre filmes e séries, foram filmadas.


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.
Jornalista e radialista, é um dos fundadores do Bode na Sala. Se orgulha de ter nascido em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul, e, atualmente, mora em Porto Alegre. Trabalhou em todas as áreas que se pode imaginar, mas acabou caindo no submundo geek. É fã do Jim Carrey, acha que o Ben Affleck é o melhor Batman do cinema, não suporta pseudo-cultismo e pretende dominar o mundo.

Comments

  1. […] Se Geórgia restringir aborto, Disney e Netflix ameaçam deixar de filmar no Estado norte-americano […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close