Bode na Sala
Destaque Especiais Filmes

Especial | Os 10 melhores momentos do Homem-Aranha no cinema

Especial | Os 10 melhores momentos do Homem-Aranha no cinema

O Homem-Aranha é, sem dúvidas, um dos maiores heróis dos quadrinhos e, graças a boas adaptações, também é um dos maiores do cinema. Por conta disso, separamos os 10 melhores momentos do Amigão da Vizinhança dentro das nove produções cinematográficas em que o herói aparece.

Confira:

Não só uma das cenas mais icônicas do Aranha nos cinemas, mas também um dos beijos mais marcantes na história do cinema, a cena começa com quatro bandidos perseguindo Mary Jane (Kirsten Dunst) em uma noite chuvosa. Ela tenta se defender, mas é facilmente subjulgada. Um Homem-Aranha (Tobey Maguire) sem máscara aparece para salvá-la e desaparece antes que ela possa agradecê-lo. Ele volta em um instante com a máscara e divide um momento íntimo com seu interesse amoroso. Ela remove a máscara do herói até o nariz e o beija. Vencedor do MTV Movie Awards de Melhor Beijo!


  • Criancinhas ou Mary Jane – Homem-Aranha (2002), por Carlos Redel

Um dos momentos mais angustiantes e que colocam Peter Parker (Tobey Maguire) em um grande conflito sobre o que é ser herói é quando o Duende Verde (Willem Dafoe) faz o Homem-Aranha decidir quem ele vai querer salvar: a sua amada Mary Jane (Kirsten Dunst) ou um grupo de criancinhas presas em um bondinho, todos pendurados de uma ponte. Nesse momento, o Amigão da Vizinhança demonstra todo o seu heroísmo, sem abandonar as crianças, mas também não deixa de lado o amor de sua vida, Mary Jane. Peter dá tudo de si e consegue, emocionantemente, salvar todos – mesmo com o Duende Verde tentando sabotar o ato. Um dos grandes momentos do primeiro longa e essencial para a construção do personagem.


  • No incêndio e sem poderesHomem-Aranha 2 (2004), por Diego Francisco

Peter Parker ficou realizado e tranquilo após perder os poderes de Homem-Aranha. Antes, ele não tinha tempo para nada e agora tem tempo de se dedicar aos estudos, ir nas peças da Mary Jane e ser presente na vida de todos à sua volta. Mas nem tudo são flores. Quando testemunha um crime, Peter não tem mais os meios de salvar a vítima e tem que deixar acontecer. Tudo muda quando Peter vê um incêndio acontecendo à noite e ouve um casal dizendo que a filha deles ainda está no apartamento, mas não tem como a equipe de bombeiros chegar no local. Mesmo sem poderes, o protagonista entra no prédio em chamas quase colapsando e quase se sacrifica para salvar a garotinha. Depois de deixá-la com os pais, ele ouve que uma pessoa ficou presa no quarto andar e morreu. Pela primeira vez desde o Tio Ben, Peter encara a morte de uma pessoa que ele poderia salvo, mas não o fez.


  • Discurso sobre heroísmo de Tia MayHomem-Aranha (2002), por Carlos Redel

“Todos adoram heróis. Querem vê-los, torcem por eles, chamam seus nomes. E, anos depois, contam como esperaram horas na chuva só para ver quem os fez aguentar mais um segundo. Acredito que há um herói dentro de todos nós, que nos mantém íntegros, nos dá força, nos enobrece e, por fim, nos deixa morrer com dignidade. Mesmo que, às vezes, seja preciso ser firme e desistir daquilo que mais queremos. Até dos nossos sonhos”, diz Tia May (Rosemary Harris) para Peter Parker (Tobey Maguire), que não sabia mais se ainda queria ser o Homem-Aranha. Mesmo sem saber que o sobrinho era o aracnídeo, Tia May emociona com o discurso sobre a importância de um herói na vida das pessoas. A fala dela ajuda Peter a decidir que, sim, ele nasceu para ser o Amigão da Vizinhança. É um dos momentos mais emocionantes dos longas do subgênero e consegue, com poucas palavras, resumir perfeitamente o significado dos heróis nas vidas das pessoas. Lindo!


  • Salvamento do trem – Homem-Aranha 2 (2004), por João Vitor Hudson

Depois de o Dr. Octopus (Alfred Molina) quebrar o câmbio do trem onde ele e o Homem-Aranha (Tobey Maguire) estavam lutando e deixar o transporte sem freio, o nosso Amigão da Vizinhança precisa evitar que toda aquela gente inocente morra. Ele não consegue parar com o pé – imagina a dor no joelho –, e a solução que ele acha é lançar inúmeras teias nos prédios ao redor e segurar o máximo possível para que o trem não chegue ao fim da linha. Peter Parker, sem a máscara, faz um esforço imenso para parar o trem. Os vidros da cabine se quebram, seu uniforme se rasga, mas o trem para. O herói acaba desmaiando, e os passageiros do trem carregam seu corpo até o meio do veículo para evitar que ele caia daquela altura. É possível ouvir comentários como “É apenas um garoto” em meio àquelas pessoas, que tratam do corpo desmaiado do herói com muito cuidado. Depois que ele acorda, alguns meninos lhe entregam sua máscara que estava perdida e dizem que não vão contar para ninguém. Mas o momento agridoce dura pouco, pois Octopus aparece logo em seguida e leva o Aranha embora para Hary Osborn (James Franco).


Os filmes estrelados por Andrew Garfield na pele do Teioso não são dos melhores, mas o segundo longa tem uma das cenas mais memoráveis e tristes da franquia. Em uma luta contra o Duende Verde/Harry Osborn (Dane DeHaan) bem no clímax, o vilão envolve Gwen Stacy (Emma Stone), a namorada de Peter Parker, que acaba se tornando uma vítima. Uma teia que segurava a jovem dentro da torre de um relógio enquanto o Aranha lutava contra Osborn acabou se arrebentando, resultando em uma queda de dezenas de metros até o chão. Mesmo com os esforços hercúleos de Parker para salvar sua amada, sua teia não chegou a tempo, e Stacy bateu a cabeça no chão e teve a coluna quebrada. Em seguida, vemos Parker chorar e se culpar pela morte de Gwen em um dos raros bons momentos do filme.


Essa é uma ótima cena, mas que seria espetacular se já não tivesse sido divulgada em um dos trailers. Quando a batalha entre os dois lados dos Vingadores está esquentando, Tony Stark (Robert Downey Jr.) chama a sua arma secreta: o Homem-Aranha (Tom Holland). Porém, como se trata de um adolescente, ele é fã do Capitão e, mesmo sem jeito, faz piadas com o herói. Para quem não viu o trailer, a cena é impactante e surpreendente, não deixando de ser hilária. Mesmo sendo um momento breve, é a introdução perfeita do Amigo da Vizinhança de Holland no Universo Cinematográfico Marvel.


Chegando perto do desfecho de Homem-Aranha: De Volta ao Lar, Peter (Tom Holland) precisa deter o Abutre (Michael Keaton), que já sabe a sua verdadeira identidade. Há um conflito interno no protagonista, pois ele gosta da filha do vilão (Laura Harrier), mas teve que deixá-la sozinha no baile da escola e, além disso, o garoto está sem o seu traje tecnológico, que foi confiscado por Tony Stark (Robert Downey Jr.). O teioso luta contra o antagonista, mas é duramente derrotado e muitos escombros caem por cima dele. Tirando forças sabe-se lá de onde, o herói consegue remover os pesos que estão sob o seu corpo e vai novamente ao encontro do Abutre, para finalmente derrotá-lo, impedindo o roubo das armar dos Vingadores e provando todo o seu valor como um verdadeiro herói.


Após completar a busca pelas Joias do Infinito e subjulgar todos os Vingadores e Guardiões da Galáxia, Thanos estala os dedos e a tela fica branca. Guerreiros de Wakanda começam a desaparecer e não demora para os heróis virarem poeira também. Soldado Invernal, Groot, Pantera Negra, Drax, Senhor das Estrelas; um por um, vemos nossos personagens queridos desaparecem da existência, numa longa cena em que aparenta não acabar nunca. Peter Parker tem a mais lenta e sofrida morte. Nos braços de Tony Stark, o garoto implora para não ir, mas acaba se tornando pó, deixando sozinho um Stark devastado.


Depois que Miles Morales é deixado para trás pelas outras pessoas-aranha, por não conseguir controlar os seus poderes ainda, o protagonista divide um momento tocante com o seu pai, que foi até o dormitório do filho falar sobre a morte do tio. O diálogo motiva Miles a ajudar seus amigos a voltar pra casa, destruir o reator do Rei do Crime e salvar o dia – sem a ajuda de Miles, Peter B. Parker teria que ficar para trás para que a missão fosse concluída. Ele vai até a aranha caverna onde a Tia May já o aguarda, pega um dos uniformes disponíveis e o pinta de preto com tinta spray para dar o seu estilo. Em cima do telhado, o protagonista respira e lembra de frases inspiradoras dos seus pais, Peter Parker e, até mesmo, Stan Lee, dando um salto de fé. A câmera fica de ponta cabeça e, ao invés de parecer que está caindo, Miles está se ascendendo. Ele solta suas teias e percorre Nova York se balançando e correndo pelos prédios. A cena, ao som de “What’ Up Danger” e com o estilo de animação inventivo do filme, é emocionante, eletrizante e marcante. Miles Morales finalmente se tornou Homem-Aranha!


Menção honrosa:

  • Peter Parker emo fazendo a dancinhaHomem-Aranha 3 (2007), por Carlos Redel

Após ser infectado pelo simbionte, Peter Parker (Tobey Maguire) começa a agir de uma maneira, digamos, um pouco estranha. O ser alienígena dá uma confiança excessiva ao herói, ao mesmo tempo em que ele começa a usar um visual emo. Assim, Peter sai pela cidade, exalando “sensualidade”, com uma dancinha um tanto quanto constrangedora. O momento acabou virando uma das sequências mais comentadas de Homem-Aranha 3 – mas, certamente, isso não é motivo de orgulho para os realizadores do filme.


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.
Jornalista e radialista, é um dos fundadores do Bode na Sala. Se orgulha de ter nascido em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul, e, atualmente, mora em Porto Alegre. Trabalhou em todas as áreas que se pode imaginar, mas acabou caindo no submundo geek. É fã do Jim Carrey, acha que o Ben Affleck é o melhor Batman do cinema, não suporta pseudo-cultismo e pretende dominar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close