Bode na Sala
Críticas Destaque Filmes

Slender Man: Pesadelo Sem Rosto | Crítica

Slender Man: Pesadelo Sem Rosto | Crítica

Resultado de imagem para slender man posterSlender Man: Pesadelo Sem Rosto (Slender Man)

Ano: 2018

Direção:  Sylvain White

Roteiro: David Birke

Elenco: Joey KingJulia Goldani TellesJaz Sinclair, Annalise BassoJavier Botet

Qual o motivo que leva adolescentes entediados a invocar uma entidade sem rosto? A maioria dos filmes de terror acabam se baseando em premissas fracas e atitudes duvidosas de seus protagonistas. É raro vermos personagens inteligentes e sensatos, que não vão ocasionar a desgraça principal da trama por serem inconsequentes. Quando jovens são protagonistas, parece que os roteiristas presumem de imediato que eles são idiotas. Isso não é exclusividade de Slender Man: Pesadelo Sem Rosto, mas como o longa repete muitas coisas de diversas produções, também pega os pontos negativos.

Na trama, quatro meninas descobrem que o grupo de garotos do colégio irá se reunir para invocar Slender Man, uma criatura sem rosto que surge para raptar crianças e adolescentes e, quando deixa alguém para trás, o enlouquece. Quem em sã consciência cogitaria atrair um monstro que tem como alvo principal você mesmo? Pois então, o longa dá a entender que Katie (Annalise Basso) sofre de depressão, mostrando um pouco da realidade da menina, com um pai alcoólatra. Porém, não há tempo para o desenvolvimento, deixando subentendido demais. As personagens são rasas e um tanto fúteis, o que enfraquece muito a trama.

O roteiro da produção não foca na originalidade e repete diversos aspectos de outras do mesmo gênero. As soluções não são criativas e decisões questionáveis atrapalham o senso de realidade, que deveria ser existir, nem que fosse minimamente. O ritmo do longa não é bom, com um primeiro ato vagaroso, um segundo entediante e um terceiro um pouco melhor que os demais, mas o desfecho previsível não ajuda em nada a obra.

Como se todos esses pontos negativos já não bastassem, o longa exagera nos jump scares apoiados somente em sons. A câmera expositiva é bem utilizada em alguns momentos, mas os efeitos especiais não são muito bons. A direção de Sylvain White faz referências à Bruxa de Blair em determinadas cenas — e até que faz isso muito bem. White realiza um bom trabalho com o que tem nas mãos, utilizando planos longos em perseguições e ocultando bem o monstro em momentos de tensão.

As atuações são fracas e acabam se juntando aos pontos negativos, pois apenas Annalise Basso entrega uma boa performance — mas ela possui pouco tempo de tela. Julia Goldani, que interpreta Hallie, a verdadeira protagonista, não esboça muitas reações e acaba não convencendo. Por fim, a mise-en-scène decepciona e Slender Man: Pesadelo Sem Rosto não passa de mais um filme de terror cheio de jump scares desnecessários, abusando de ruídos altos e com uma história fraca.

Nota do crítico:

 

Nota dos usuários:

[Total: 1    Média: 3/5]


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.
Jornalista, pretende seguir carreira como crítico de cinema. Gosta de dar opinião sobre tudo. Reside em Belém Novo, fim do mundo de Porto Alegre.

Comments

  1. “Quando jovens são protagonistas, parece que os roteiristas presumem de imediato que eles são idiotas”

    HELLOOOO! Adolescente é tudo retardado!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close