Bode na Sala
Games Notícias

O retorno de Deemo e Cytus e a ida dos jogos rítmicos do mobile aos consoles

Já jogou Cytus, VOEZ, Lost in Harmony e Deemo?

O retorno de Deemo e Cytus e a ida dos jogos rítmicos do mobile aos consoles

Houve uma época que jogos rítmicos começaram a sair um depois do outro para celular. Em meio ao tempo que Guitar Hero já estava saturado e poucos games do gênero realmente impressionavam, houve quatro jogos que chamaram a atenção de diversos jogadores e jogadoras de mobiles: Cytus, VOEZ, Lost in Harmony e, talvez, o mais popular deles, Deemo.

Rayark foi o estúdio por trás de três dessas obras (Cytus, VOEZ e Deemo), enquanto Lost in Harmony veio do co-criadores de Valiant Hearts e a mesma mente por trás do mini-game musical do mesmo jogo. Todos os títulos popularizaram-se por diversos fatores, como o dinamismo em suas jogabilidades e conceitos visuais, mas, principalmente, por suas capacidades de contar uma história muito bem casada com seus conceitos musicais — onde Cytus e VOEZ trabalharam com um enredo mais ambíguo e Deemo e Lost in Harmony com uma história mais palpável e profundamente tocante.

Deemo havia recebido uma adaptação para PS Vita no passado, chamado de Deemo: The Last Recital, contando com um novo capítulo, novas animações, dublagem, entre outras coisas. Deemo 3.0, eventualmente, foi lançado para mobile, atualizando o jogo ainda mais em relação à versão de PS Vita, apesar de não receber suas animações e dublagens. Mais tarde, a versão de mobile do jogo também veio para Nintendo Switch, contando com todas as atualizações trazidas até então.

A história de Deemo, no entanto, ainda não terminou. Deemo Reborn foi anunciado para Playstation 4, em um completo remake em 3D, oferecendo até mesmo suporte para Playstation VR e Playstation Move, para uma experiência totalmente nova. Deemo Reborn contará com todas as mais de 200 músicas de sua versão original, além de mais algumas novas, e seu gênero está listado como ‘Jogo de Ação, com diversos elementos de Jogo Rítmico’.

VOEZ recebeu uma adaptação para Nintendo Switch, incluindo todas as músicas que haviam no jogo, até então. Sua história é contada através de partes separadas em seus episódios e músicas, enquanto mostra um pouco da vida de seis personagens, cada um associado a sua posição na banda VOEZ, traços distintos e personalidades e suas próprias cores.

Lost in Harmony recebeu uma adaptação para Nintendo Switch e PC. Sua história baseia-se nos sonhos de Kaito, um menino apaixonado por sua amiga Aya, hospitalizada com uma doença grave, enquanto ele a leva em grandes viagens em seu skate, sempre tematizadas de acordo com a conversa entre ambos antes de Kaito dormir. Dentro do mesmo jogo, também há a história de Mirai, um robô que procura sua liberdade.

E, finalmente, Cytus, que até então não havia recebido adaptação, até o anúncio de Cytus α (Alpha), um remake completo a caminho para o Nintendo Switch. A interface será alterada, de forma a ser mais confortável de se jogar em um Nintendo Switch e o jogador poderá seguir a música sem risco da mesma ser interrompida no meio de sua duração devido a um Game Over. Já há mais de 200 músicas registradas no jogo (mais de 400, se levar em conta as variações), contando com todas de Cytus e mais algumas novas. Cytus α ainda não possui um trailer, mas aos interessados, abaixo, tem uma prévia da versão de mobile.

Você já jogou algum desses jogos? Quais jogos rítmicos são seus favoritos?

Deemo Reborn será lançado em 2019, para Playstation 4. Cytus α está em desenvolvimento para Nintendo Switch. Deemo, VOEZ e Lost in Harmony estão disponíveis para Nintendo Switch, Android e iOS. Cytus está disponível para Android e iOS.


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.

Fernando Menezes

Formado em Desenvolvimento de Jogos, experiente em tentar de tudo, fluente em trocadilhos e piadas ruins. Possui um otimismo incansável, e uma biblioteca de jogos maior que sua expectativa de vida. Luta no tatame, e em tudo que é jogo de luta possível. Se RPG não é vida, ele não quer estar vivo. Acha que tudo fica melhor com música e pôneis.

Latest posts by Fernando Menezes (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close