Bode na Sala
Destaque Especiais Filmes

Dica de Quinta | Cinco ótimos filmes na Netflix para você viajar ao futuro (e se preocupar)

Alguns cineastas entregam uma visão única sobre o futuro!

Dica de Quinta | Cinco ótimos filmes na Netflix para você viajar ao futuro (e se preocupar)

Ah, o futuro. Quem não deseja saber como a humanidade estará daqui a algumas décadas, né? É fascinante pensar nas inúmeras inovações que a tecnologia nos trará. No entanto, alguns cineastas têm uma visão, digamos, um pouco mais pessimista sobre o nosso futuro. Então, prepare a pipoca, assista a essas grandes obras e reflita sobre os rumos que humanidade pode tomar…

Por conta disso, separamos essa lista de cinco ótimos filmes disponíveis na Netflix. Confira:


  • Looper: Assassinos do Futuro (2012)

Em 2074, a viagem no tempo já é uma realidade — apesar de ser clandestina. Por conta disso, quando os mafiosos querem eliminar alguém, eles enviam o alvo 30 anos no passado, onde um matador de aluguel aguarda a vítima com uma arma na mão. A morte acontece de maneira rápida e fora dos radares da polícia. No entanto, Joe (Joseph Gordon-Levitt), um desses assassinos, descobre que seu chefe decidiu fechar um ciclo e enviar a sua versão do futuro (Bruce Willis) de volta no tempo para que ele mesmo a elimine. Além disso, existe a interessante história de uma mãe (Emily Blunt) e seu filho com poderes telecinéticos, que fazem o filme ainda mais poderoso, profundo e surpreendente. E, tudo isso sob a batuta do ótimo Rian Johnson, que constrói uma das melhores ficções científicas da década — além de mostrar que o ser humano consegue sempre utilizar a tecnologia para coisas maléficas.


  • Minority Report: A Nova Lei (2002)

Baseada no conto de Philip K. Dick e dirigida por Steven Spielberg, a produção se passa 2054, época em que os Estados Unidos têm um sistema policial chamado Pré-Crime. Essa alternativa se dá graças a três humanos alterados que recebem visões do futuro. O sistema consegue prever os crimes antes que eles aconteçam e a taxa de assassinatos é reduzida a zero. John Anderton (Tom Cruise — que faz jus a sua reputação de correr), um policial da cidade, é visto em uma das previsões assassinando um homem que nunca viu na vida, mas que, de alguma forma, tem relação com o desaparecimento de seu filho há muitos anos. Sendo assim, o longa nos apresenta um futuro em que o homem, mais uma vez, não pode controlar. O filme agrada fãs de ficção científica e fãs de filmes policias com tom aventuresco típico do Spielberg.


  • O Fantasma do Futuro: Ghost in the Shell (1998)

Um dos animes mais influentes já feitos, Ghost in the Shell inspirou clássicos da ficção científica como Matrix e A.I.: Inteligência Artificial. Em 2029, os avanços cibernéticos resultam na Major Motoko Kusanagi. Onde antes existia uma mulher, agora é um corpo quase que totalmente substituído por partes sintéticas. Ela não se lembra de seu eu anterior, sequer se sente humana e agora é líder do Esquadrão Shell, cuja última missão é achar o Mestre das Marionetes, um hacker com a capacidade de controlar corpos. Ghost in the Shell foi revolucionário na época em que foi lançado. O filme apresenta conquistas para a animação, sequências de ação inimagináveis e aborda temas relevantes depois de todos esses anos como identidade, natureza humana e evolução. E tudo isso em um futuro pouco convidativo.


  • Elysium (2013)

Em 2154, uma pequena parte da população humana vive em Elysium, uma enorme estação espacial disponível apenas para os mais ricos e onde qualquer doença são rapidamente curados em máquinas médicas. O resto da população, ou seja, os pobres, mora na Terra, superpopulosa e pós-apocalíptica, decadente e patrulhada por robôs-policiais truculentos. Lá mora, Max Da Costa (Matt Damon), um ex-ladrão de carros e, agora, funcionário da Armadyne Corp, companhia que construiu Elysium. Um dia, Max sofre um acidente de trabalho e é exposto a uma grande quantidade de radiação. E qual é a única maneira de sobreviver? Indo para Elysium! Enquanto isso, há uma série de golpes políticos na estação espacial e confronto contra a população da Terra. Nesse meio tempo, Max encontra Frey (Alice Braga), uma enfermeira e amiga de infância cuja filha, Matilda, sofre de leucemia. Ao saber de seus planos para imigrar a Elysium, Frey implora que Max leve sua filha com ele para curá-la. Uma ótima e interessante obra de Neill Blomkamp, diretor do excelente Distrito 9. Ah, e ainda tem participação de Wagner Moura no longa.


  • Onde Está Segunda? (2017)

2073. Os recursos naturais da Terra estão escassos graças ao grande aumento populacional. Para garantir uma sobrevida à humanidade, entra em vigor a lei do filho único. Sendo assim, irmãos são mandados para a criogenia e, supostamente, voltarão à vida quando o planeta estiver “salvo”. O problema é que, antes da lei entrar em vigor, os cientistas modificaram geneticamente os alimentos para tentar combater a fome. O resultado: as pessoas também sofreram modificações e começaram a ter filhos múltiplos. Nesse cenário, nascem sete irmãs. A mãe delas não sobrevive e cabe ao avô (Willem Dafoe) mantê-las à salvo do governo. Para isso, as meninas, batizadas com os nomes dos dias da semana, entram em um sistema rotatório, saindo de casa apenas no dia referente ao seu nome. Todas elas (Noomi Rapace) vivem a mesma identidade. Tudo vai (razoavelmente) bem por 30 anos, até que a Segunda sai para trabalhar e não retorna. Assim, as seis irmãs restantes precisam saber o que aconteceu ela. A partir daí, as irmãs restantes começam a combater a vilã Nicolette Cayman (Glenn Close) e, assim, se inicia um vertiginoso jogo de perseguição, carregado de suspense e momentos de tirar o fôlego. Original da Netflix, a obra uma bela ficção-científica, que bebe em boas fontes como Filhos da Esperança e, até mesmo, Black Mirror.


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.
Jornalista e radialista, é um dos fundadores do Bode na Sala. Tem 25 anos, se orgulha de ter nascido em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul, e, atualmente, mora em Porto Alegre. Trabalhou em todas as áreas que se pode imaginar, mas acabou caindo no submundo geek. É fã do Jim Carrey, acha que o Ben Affleck é o melhor Batman do cinema, não suporta pseudo-cultismo e pretende dominar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close