Bode na Sala
Críticas Filmes Notícias

Vingadores: Guerra Infinita | Crítica

Confira a opinião de André Bozzetti sobre o tão aguardado filme da Marvel!

Vingadores: Guerra Infinita | Crítica

Vingadores: Guerra Infinita (Avengers: Infinity War)

Ano: 2018

Direção: Anthony RussoJoe Russo

Roteiro: Christopher Markus, Stephen McFeely

Elenco: Robert Downey Jr.Chris EvansChris HemsworthJosh BrolinScarlett Johansson, Chris Pratt, Tom HollandBenedict Cumberbatch, Mark RuffaloChadwick BosemanElizabeth OlsenSebastian StanPaul Bettany, Zoe Saldana

“Thanos está vindo!”

Após os minutos iniciais de Vingadores: Guerra Infinita, a frase proferida por um de nossos conhecidos heróis é capaz de gelar o nosso sangue, pois tivemos uma pequena amostra do que estaria por vir. Serei um pouco vago em nomes e informações nesta crítica, para não correr o risco de dar nenhum spoiler, pois este é um filme que merece que cada surpresa seja saboreada.

Ao iniciar a trama em um cenário caótico, de morte e violência, sentimos um clima diferente dos outros filmes da Marvel. Algo mais urgente. Algo mais perigoso. Um medo real pelo destino dos personagens. Muito se especulou sobre quem morreria ou não no filme, mas a verdade é que, ao não termos certeza de nada, a apreensão toma conta. E isso é algo que ficou nítido na sessão em que estive, pois as reações do público aos eventos era de surpresa e estupefação.

Não estou dizendo que este é um filme sério ou sombrio. Para quem não gosta do humor das produções da Marvel, isso é algo que pode incomodar um pouco. Principalmente, na primeira metade das mais de duas horas de projeção na qual, em alguns momentos, talvez elas soem exageradas. Talvez, pelos heróis, mesmo já sabendo o tamanho da ameaça de Thanos (Josh Brolin), ainda não tivessem se deparado realmente com as consequências. Depois, o humor vai diminuindo muito até se restringir a piadas pontuais.

A caçada de Thanos às Joias acaba fazendo o título Guerra Infinita ser levado quase ao pé-da-letra. É um embate violento após o outro. São confrontos que levam os heróis ao seu limite, utilizando seus poderes ao máximo e, no caso do Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) e do Homem-Aranha (Tom Holland), principalmente, formas diferentes de usarem seus uniformes, que funcionam de forma espetacular nos combates.

Falando em Thanos, a promessa foi cumprida. O MCU trouxe o mais assustador vilão já apresentado nas adaptações de quadrinhos e, sem dúvida, vai deixar sua marca gravada nas produções do gênero. O que ficou faltando foi um pouco mais de background do personagem, pois as aparições em cenas pós-créditos não ajudaram em nada e, neste filme, recebemos pouca informação. A impressão é que Vingadores 4 deve iniciar de forma muito mais calma, explicando um pouco mais sobre a história de Thanos e outros personagens. Para quem não o conhece pelas histórias em quadrinhos, isso seria bem importante.

Confesso que senti a ausência ou pouca participação de alguns heróis, o que possivelmente signifique que terão papéis importantes na conclusão desta saga em Vingadores 4. E não há dúvida de que eles serão necessários. Inclusive porque, até agora, algumas situações que os ajudaram em seus embates com Thanos nos quadrinhos não aconteceram. Ou seja, a ameaça é real e não há indícios ainda de como os Vingadores e seus aliados conseguirão vencer o Titã.

No entanto, buscando referências nos quadrinhos mesmo, podem ser criadas diversas teorias que certamente dominarão a internet nos próximos meses, até o lançamento da parte final da saga das Joias do Infinito. E se a ansiedade pelo início foi enorme, creio que pela conclusão será maior ainda. Bom mesmo seria usar a Joia do Tempo para nos levar direto para a data de lançamento de Vingadores 4, mas com Thanos à solta por aí, ter uma Joia do Infinito com você não é uma boa ideia…

Nota do crítico:

 

Nota dos usuários:

[Total: 27    Média: 3.9/5]


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.

André Bozzetti

André Bozzetti é professor. Formado em educação física e cinéfilo desde que se entende por gente, começou a estudar a sétima arte por conta própria e criou o projeto Clube das 5 de cinema escolar, do qual é coordenador atualmente, no município de Alvorada. Tem uma queda forte pelo cinema europeu mas não dispensa um bom blockbuster. Sente saudades dos filmes de Vincent Price nas sessões do Corujão.

Comments

  1. Q.resenha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close