Bode na Sala
Críticas Filmes

Motorrad | Crítica

Confira a opinião de Thiago Pedruzzi sobre o longa nacional dirigido por Vicente Amorim!

Motorrad | Crítica

Motorrad

Ano: 2018

Direção: Vicente Amorim

Roteiro: L.G. Bayão

Elenco: Guilherme Prates, Carla Salle, Emílio Dantas, Juliana Lohmann, Pablo Sanábio, Jayme Del Cueto

Inspirado em personagens do quadrinista Danilo Beyruth, Motorrad conta a história de Hugo (Guilherme Prates), que quer muito participar das trilhas de moto com seu irmão Ricardo (Emílio Dantas) e, por isso, acaba entrando em um ferro-velho para roubar peças para terminar sua própria moto. Após ficar a noite toda trabalhando na moto, ele consegue acompanhar o irmão e os amigos em uma trilha onde encontram um caminho nunca antes explorado e acabam sendo perseguidos e por motoqueiros misteriosos.

Um clássico filme de terror de perseguição, onde um grupo de jovens que apenas procuram diversão são perseguidos e mortos, aparentemente sem motivos, e, em alguns momentos, em que os protagonistas fogem e os vilões simplesmente se materializam ao lado deles, no maior estilo Sexta-Feira 13.

O filme todo se passa na Serra da Canastra, uma paisagem bem diferente, árida e linda, com pedreiras e rios, com um visual incrível, o que ajuda bastante na ambientação da narrativa. Motorrad possui poucos diálogos, tanto que os primeiros 15 minutos não tem nenhuma vocalização dos atores e, mesmo durante o restante do longa, as interações entre os personagens não passam de três ou quarto frases, para logo voltarem para ação.

O que realmente carrega o filme é a parte técnica, principalmente a montagem e o som que, juntos com uma fotografia com muitos planos sobrepostos e ousados, salvam as atuações fracas, o pouco desenvolvimento dos personagens e o roteiro que não se preocupa em explicar muitas coisas que ficam soltas durante o decorrer da história. Em cenas com perseguições de motos, são utilizadas as trocas rápidas de planos fechados e com movimentos frenéticos para tentar inserir uma velocidade maior, mas a postura e a falta de vento nas roupas e cabelos dos personagens acabam entregando o truque todo. O que não tira o mérito da parte técnica, que entrega uma estética muito linda e surpreendente, que não lembro de ver algo parecido em filmes brasileiros.

No final de tudo, fiquei na dúvida se realmente gostei ou não de Motorrad, que tem muitos furos e uma tentativa de deixar na interpretação do telespectador, não funcionando muito bem. Além disso, há momentos fora da realidade, como na cena em que um personagem retira a moto que ficou um bom tempo dentro do rio e, apenas com um alicate, ele coloca o veículo para funcionar em segundos. Em outras situações surreais, mesmo tendo saído para uma trilha de moto, os personagens conseguem recursos (cordas, lanternas, armas, etc.) que, casualmente, são exatamente o que eles precisam na fuga.

Apesar de ter os seus respectivos problemas, Motorrad é um filme envolvente e que te deixa preso na tela, além de muitas vezes te deixar tenso com as perseguições. É um legítimo longa de terror, que vale a pena ser assistido, mas com a mente aberta e relevando seus deslizes ou não.

Nota do crítico:

 

Nota dos usuários:

[Total: 5    Média: 4/5]


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

 

 

The following two tabs change content below.

Latest posts by Thiago Pedruzzi (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close