Bode na Sala
Críticas Filmes

O Que te Faz Mais Forte | Crítica

Confira a opinião de Rafael Bernardes sobre o drama estrelado por Jake Gyllenhaal!

O Que te Faz Mais Forte | Crítica

O Que te Faz Mais Forte (Stronger)

Ano: 2017

Direção: David Gordon Green

Roteiro: John Pollono

Elenco: Jake GyllenhaalTatiana MaslanyMiranda RichardsonRichard Lane Jr.Nate Richman

Baseado em uma história real, O Que te Faz Mais Forte gira em torno de Jeff Bauman (Jake Gyllenhaal), um homem comum, atrapalhado e apaixonado. Ele e sua ex-namorada, Erin (Tatiana Maslany), estavam sempre terminando e voltando, muito por causa da personalidade do homem. Sempre atrasado, não comparecia aos eventos, e vivia dando desculpas. Na maratona de Boston, ele decidiu comparecer e levar um cartaz, para dar forças para a menina. Porém, um atentado terrorista acontece e duas bombas são explodidas na multidão. Bauman perde as duas pernas e sua jornada de recuperação começa.

O filme vai muito bem ao mostrar detalhadamente os traumas de quem passa por uma situação como essa. Tanto os problemas físicos e mentais são bem explorados, como quando uma crise de pânico é retratada. Muito disso é possível por conta da ótima atuação de Jake Gyllenhaal. Tatiana Maslany está ainda melhor, com uma atuação um pouco mais contida, estourando nos momentos certos. Todo o drama pessoal da personagem é bem externado, conseguindo emocionar na medida certa.

Quando a produção foca na vida pessoal e no tratamento do protagonista, em busca de uma melhora física e mental, consegue executar bem. Porém, quando o patriotismo impera no roteiro, começam a aparecer problemas na narrativa. Há um excesso de cenas e diálogos expositivos, apenas para justificas as ações de guerra dos Estados Unidos e ressaltar o sentimento nacionalista que os americanos possuem. No terceiro ato, a obra fica um tanto panfletária e a mensagem final, que é muito importante, ressalta isso.

O desenvolvimento de personagens é bom, tanto dos protagonistas, quanto da mãe de Jeff, mostrando seus problemas com a bebida e a dificuldade de lidar com aquela situação extrema. É interessante a negação do personagem principal ao rótulo de herói, referenciada no segundo ato. Porém, próximo ao desfecho, as opiniões dele mudam drasticamente, sem um bom motivo aparente. O terceiro ato também reserva clichês e situações previsíveis.

Mesmo com os problemas de roteiro ocasionados pelo nacionalismo americano, forçando a barra e causando inconsistências narrativas e incongruências no desenvolvimento dos personagens, o longa consegue emocionar, e muito. A direção de David Gordon Green, apesar de simples, retrata o necessário para contar uma história de superação. Quando o foco é o atentado, a câmera expositiva passeia pela dor, transpassando os sentimentos externados naquele momento.

Se trata de um filme forte, emocionante em alguns momentos, um tanto previsível e bastante panfletário no seu desfecho, reforçando o patriotismo e alguns conceitos culturais. Não é, nem de longe uma tentativa de desconstrução. E isso pode ser bom ou ruim, dependendo da mente que estiver assistindo. Ótimas atuações que ditam um bom filme.

Nota do crítico:

Nota dos usuários:

[Total: 1    Média: 2/5]


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

 

The following two tabs change content below.
Jornalista, pretende seguir carreira como crítico de cinema. Gosta de dar opinião sobre tudo. Reside em Belém Novo, fim do mundo de Porto Alegre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close