Bode na Sala
Críticas Filmes

The Cloverfield Paradox | Crítica

Confira a opinião de Rafael Bernardes sobre o longa da Netflix!

The Cloverfield Paradox | Crítica

The Cloverfield ParadoxThe Cloverfield Paradox (2018)

Ano: 2018

Roteiro: Oren UzielDoug Jung

Direção: Julius Onah

Elenco: Gugu Mbatha-Raw, David Oyelowo, Daniel Brühl, John Ortiz, Chris O’Dowd, Aksel Hennie, Zhang Ziyi, Elizabeth Debicki, Roger Davies, Clover Nee, Donal Logue, Simon Pegg, Greg Grunberg

Cloverfield – Monstro, dirigido por Matt Reeves, começou a trilogia apresentando aquele clima de found footage, mostrando a invasão dos monstros em Nova York. Rua Cloverfield, 10 veio com um ar de mistério, por ninguém saber sobre o que realmente se tratava, mesmo tendo o nome característico da atual franquia. Quase dois anos depois, tivemos a confirmação de que um prequel do primeiro filme seria lançado, revelando como aqueles monstros foram parar na terra. Durante o Super Bowl, que ocorreu no dia 4 de fevereiro, um trailer do terceiro filme foi divulgado, juntamente com a data de lançamento pela Netflix, que seria dia 5 de fevereiro. Isso mesmo, logo após o evento, o longa estaria disponível no catálogo.

Jogada de mestre ou medo de divulgar um produto decepcionante? É inegável que essa estratégia de marketing aguçou a curiosidade das pessoas, elevando as expectativas. A produção conta a história de uma tripulação, que está no espaço tentando solucionar problemas de energia que a terra enfrenta. Uma guerra civil está prestes a começar e apenas aquelas pessoas podem evitar isso. A trama foca em Hamilton (Gugu Mbatha-Raw), dando espaço a seu marido, que atualiza o público sobre a situação na terra. A personagem é construída pouco a pouco, mas suas atitudes não parecem reais. Ela sempre se mostra mais calma, mais inteligente e racional que os demais.

Quando uma informação importante sobre ela é revelada, nos pega de surpresa, mas mexe com a descrença, pois aquilo não faz sentido com o que nos foi apresentado dela. Mesmo assim, é possível comprar o drama envolvendo-a. Os outros personagens é que são realmente problemáticos. Não são bem desenvolvidos e é difícil criarmos empatia. Em determinado momento, um vilão é escolhido, mas isso é feito de forma previsível, acabando com uma possível boa surpresa. Outro ponto negativo é a instalação do suspense, começando com um terror psicológico, que ocorre em alguns momentos, mas, na maior parte do tempo, jump scares desnecessários são jogados na tela.

O que deveria ser uma história de origem dos monstros se transforma em um “premonição no espaço”, por conta de mortes abruptas e incoerentes. Aquilo acaba virando o principal atrativo, quando deveria ser apenas um recurso do roteiro. O ritmo do longa é o que disfarça os inúmeros problemas, pois os acontecimentos acabam instigando a curiosidade. Do segundo ato em diante, parece que o diretor e os roteiristas decidiram sugar todos os clichês de suspenses espaciais e vomitar para o espectador. Diversos momentos lembram muito o filme Vida, que já é um Alien: O Oitavo Passageiro genérico. A originalidade não é nem de longe o forte da produção.

O elenco de peso fica só no nome. As atuações robóticas exemplificam o que o resultado final realmente é: uma salada de frutas contendo situações óbvias e desfechos rasos, muitos sem sentido, acompanhado de uma falsa intelectualidade, mexendo com aspectos da ficção científica de forma leviana. Apenas Gugu Mbatha-Raw apresenta dramaticidade suficiente para que sua personagem seja aceitável, mesmo com os problemas que contém.

Quando já estamos cansados, o desfecho final previsível nos desanima ainda mais, sendo difícil de acreditar que eles realmente quiseram fazer aquilo. O que poderia ser um ótimo filme, alinhando conceitos profundos e boas explicações, acaba sendo apenas um filme espacial genérico. É assustadora a quantidade de materiais, de possibilidades, mas o roteirista parece ter jogado tudo fora e resolveu fazer um produto que é mais do mesmo.

Nota do crítico:

Nota dos usuários:

[Total: 3    Média: 2.7/5]

 

The following two tabs change content below.
Jornalista, pretende seguir carreira como crítico de cinema. Gosta de dar opinião sobre tudo. Reside em Belém Novo, fim do mundo de Porto Alegre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close