Bode na Sala
Críticas Filmes

O Insulto | Crítica

Confira a opinião de Rafael Bernardes sobre o longa libanês indicado ao Oscar!

O Insulto | Crítica

O Insulto (L’insulte)Resultado de imagem para o insulto pôster

Ano: 2017

Roteiro: Ziad DoueiriJoëlle Touma

Direção: Ziad Doueiri

Elenco: Adel Karam, Rita Hayek, Kamel El Basha, Christine Choueiri, Camille Salamé, iamand Bou Abboud, Julia Kassar

Retratar a situação política de dois povos através de personagens reais não é uma tarefa fácil. Isso é executado de maneira brilhante em O Insulto, realizando um aprofundamento imenso nos personagens e mostrando a intolerância religiosa, traumas por conta da guerra, junto com o preconceito em geral.

A trama gira em torno de dois personagens: o libanês cristão Toni (Adel Karam), que mostra em um primeiro momento ser preconceituoso, retrógrado, agressivo e intolerante e o palestino Yasser (Kamel El Basha), que é apresentado como um trabalhador refugiado que, apesar de ranzinza, seria uma boa pessoa.

A história começa quando Toni, ao regar as plantas de sua sacada, deixa que água suja caia em Yasser. O palestino trabalha em uma obra perto da casa do libanês e patê a sua porta para arrumar sua calha. O pedido é veementemente negado, mas Yasser decide concertar assim mesmo, sem autorização. Toni quebra a construção com um martelo, causando “o insulto” do trabalhador em questão.

Após o ocorrido, pedidos de desculpas são solicitados de um lado, mas o refugiado nega ao perceber o extremismo do outro homem. Quando Toni dispara palavras de ódio a ele e ao seu povo, é agredido. Esse fato desencadeia julgamentos, brigas, e, posteriormente, protestos de ambos os lados. O trabalho dos advogados dos dois homens é muito bem explorado, mostrando o caráter de quem está acusando e defendendo.

As questões envolvendo praticamente todos os personagens principais são desenvolvidas de uma forma que facilite a compreensão do público em relação aos acontecimentos. Nenhum personagem é unidimensional, todos possuem camadas, defeitos e qualidades. Ninguém é retratado como uma pessoa ruim, nem mesmo o mais intolerante.

Além do desenvolvimento dos personagens, o ritmo faz com que o a atenção do público seja preza, muito por conta do clima de tribunal, apresentando relatos dos dois lados. Um lado é posto como correto, mas isso não interfere na imparcialidade da produção, pois ela revela os pontos negativos politicamente de cada ideal. A mensagem é bem clara, condenando o preconceito e a intolerância, mas mostra que tanto a esquerda quanto a direita libanesa cometeram erros graves ao estarem em guerra.

As atuações são ótimas, sendo Kamel El Basha e Camille Salamé, que são beneficiados pelo roteiro, mas apresentam excelentes performances. O roteiro contém uma narrativa linear, fazendo com que flashbacks sejam apresentados como provas no tribunal, o que não quebra o ritmo. O começo, o meio e o fim são compactos e coerentes, e a direção do longa, apesar de simples, executa muito bem o propósito, mas não contém nenhum diferencial. O mesmo pode-se dizer da direção de fotografia.

O Insulto é um filme com temas políticos, mas que os executa de forma humana e sensível, passando uma mensagem extremamente positiva. O conteúdo é imprescindível, tanto quando falamos de cinema, quanto de história, por nos dar um contexto sobre a situação de dois povos. Se trata de um ótimo filme, merecendo sua indicação ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Nota do crítico:

Nota dos usuários:

[Total: 5    Média: 2.8/5]

 

The following two tabs change content below.
Jornalista, pretende seguir carreira como crítico de cinema. Gosta de dar opinião sobre tudo. Reside em Belém Novo, fim do mundo de Porto Alegre.

Comments

  1. filme sensacional…o melhor qu vi em muito tempo…lição de vida e de como fazer um bom ntretenimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close