Bode na Sala
Críticas Filmes

Me Chame Pelo Seu Nome | Crítica

Confira a opinião de Rafael Bernardes sobre o longa de Luca Guadagnino!

Me Chame Pelo Seu Nome | Crítica

Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me by Your Name)Resultado de imagem para me chame pelo seu nome poster

Ano: 2017

Direção: Luca Guadagnino

Roteiro: James Ivory

Elenco: Armie Hammer, Timothée Chalamet, Michael Stuhlbarg, Amira Casar, Esther Garrel

A relação de duas pessoas desenvolvida naturalmente, contando sobre os anseios de cada um, somados ao desejo e com a atração física e intelectual. Contar uma história de maneira simples e sensível não é uma tarefa fácil, ainda mais sem utilizar de clichês de comédias românticas e estereótipos.

Elio (Timothée Chalamet) é um jovem muito mais inteligente que os demais, ele parece saber de tudo um pouco e possui muito talento para a música. Os acontecimentos se passam em uma pequena cidade da Itália, o que deixa a ambientação bastante charmosa. Em todos os verões, o quarto do menino é cedido para um hóspede, com o objetivo de que um trabalho conjunto seja feito com o pai de Elio. Na época em questão, o escolhido foi Oliver (Armie Hammer), um homem bonito, atraente e até um pouco arrogante.

Quando o visitante chega, logo é percebido o incômodo do protagonista, mas não fica claro o que ele realmente sente. O hóspede vai atraindo olhares, se destacando nos esportes e fazendo amizades rapidamente, irritando o menino. Esses 40 minutos iniciais são utilizados para o desenvolvimento da paixão dos dois, mas isso acaba ficando muito longo e um tanto desnecessário.

A partir daí, a relação começa a ser estabelecida de maneira fluída, com bons diálogos e explorando o silêncio e o clima entre os dois. O roteiro possui alguns problemas, principalmente no desenvolvimento dos dois personagens em conjunto. Conseguimos comprar todos os sentimentos de Elio, mas faltou uma atenção a mais em Oliver. Apesar disso, se trata de uma trama bem executada, com ótimos desfechos e reflexões colocadas.

A direção de fotografia acerta em uma coloração clara, dando um clima de produção europeia e passando beleza e veracidade em relação ao local em que a história se passa. Luca Guadagnino executa bem a câmera estática, focando muitas vezes em pedaços do corpo do protagonista, mas pegando o espaço em que outro personagem vai estar interagindo. Falando nisso, seguimos o personagem principal o tempo inteiro, com a câmera girando em torno dele.

A atuação de Timothée Chalamet é impressionante, transpassando todo o drama que Elio carrega por estar descobrindo a sua sexualidade. A química dele com Armie Hammer é excelente, parece que os dois já eram grandes amigos nos bastidores, pela facilidade em que apresentam a interpretação conjunta. Em certo momento, algumas cenas desnecessárias são colocadas em tela, podendo conter a justificativa de que o protagonista é um adolescente. Essa justificativa acaba não sendo forte o suficiente.

Mais do que um romance, Me Chame Pelo Seu Nome trata uma relação de duas pessoas bissexuais que se envolvem e se apaixonam. Tudo é desenvolvido sem nenhum tipo de rótulo, fazendo com que o espectador compre o romance de forma natural. Porém, o longa vai além disso, falando sobre vida, preconceito e amor. E um dos grandes destaques da obra fica por conta de um monólogo de arrepiar, realizado por Michael Stuhlbarg, que interpreta o pai de Elio. Ele mostra a sensibilidade que todo pai deveria ter.

Nota do crítico:

Nota do público:

[Total: 2    Média: 2.5/5]


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.
Jornalista, pretende seguir carreira como crítico de cinema. Gosta de dar opinião sobre tudo. Reside em Belém Novo, fim do mundo de Porto Alegre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close