Bode na Sala
Especiais Filmes Netflix

Dica de Quinta | Cinco filmes na Netflix para você virar o (pseudo) cultzão da turma

Você vai arrasar nos grupos de amigos cinéfilos!

Dica de Quinta | Cinco filmes na Netflix para você virar o (pseudo) cultzão da turma

Você vê todos os seus amigos discutindo sobre filmes que, aparentemente, são muito inteligentes e, por não ter visto esses longas, se sente deslocado? Pois bem, os seus problemas acabaram! O Bode na Sala separou cinco dicas imperdíveis para que você, assim como nós, possa se tornar um “pseudo cult” de primeira!

Confira:


  • Donnie Darko (2001), de Richard Kelly

Bem, como fazer uma lista dessas sem começar com Donnie Darko? Na trama, Donnie (Jake Gyllenhaal) é um jovem excêntrico – beirando à esquizofrenia – e brilhante, que está cursando o colegial. Ele tem visões, em especial de um coelho monstruoso, o Frank. Um belo dia, uma de suas visões o atrai para fora de casa e lhe diz que o mundo acabará dentro de 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos. Donnie, inicialmente, não acredita na profecia. No entanto, ao voltar para sua casa, ele vê que uma turbina de avião caiu bem em cima de seu quarto. E é aí que ele começa a se perguntar qual o fundo de verdade da sua previsão e quais as consequências dela. Não vamos dar spoilers, mas esse é um longa que pode ter várias interpretações e rende acaloradas discussões sobre física, universos paralelos e viagens no tempo. Depois de assistir Donnie Darko, se você se sentir perdido (assim como todo mundo), existem muitas teorias sobre ele na internet. Devore-as e saia distribuindo-as para todos que lhe perguntarem sobre o filme (ou para qualquer um que estiver passando por perto). Divirta-se!


  • Clube da Luta (1999), de David Fincher

Esse é um dos grandes filmes (se não for o maior) de David Fincher e uma grande crítica sobre a sociedade, o capitalismo e todo esse sistema que nos cerca. O longa aborda a vida do narrador (Edward Norton), um homem, ou apenas uma engrenagem, em um mundo fútil e que aceita o seu lugar no status quo. Ele, no entanto, sofre de uma forte insônia e só consegue dormir ao frequentar grupos de apoio para pessoas com diversos problemas e doenças. Trabalhando em uma multinacional, mais uma vez, sendo apenas uma peça nessa grande máquina, ele acaba indo fazer uma viagem de trabalho e, no avião, conhece Tyler Durden (Brad Pitt), um fabricante de sabão – e que, entre outras coisas, é projetista de filmes em um cinema. Os dois acabam se aproximando e, então, brigando, no meio da rua (isso não é gratuito, ok?). As porradas dos dois acabam atraindo olhares e, mais adiante, seguidores. Assim, eles formam o Clube da Luta, uma sociedade secreta em que seus membros, além de esbofetearem, distribuem mensagens anti-conformismo pelos Estados Unidos – tudo na base do anarquismo, é claro. Como uma das regras do Clube da Luta, não damos spoilers aqui, mas tenho certeza que, com esse filme, você vai ter muito assunto para conversar com seus amigos, criticando a sociedade, o consumismo desenfreado, o comodismo do ser humano… Ou não, você também poderá causar se não gostar do longa. E falar sobre as aparições do Brad Pitt ao longo do filme é sempre um ponto positivo. Uma coisa é certa: com Clube da Luta, você não vai ficar sobrando nos papos cinéfilos!


  • O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001), de Jean-Pierre Jeunet

Ora, ora, você já estava pensando que iríamos falar apenas de filmes norte-americanos, né? Mas que tipo de lista “cult” seria essa sem uma boa produção francesa? Na trama de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, somos apresentados a doce (adivinha…) Amélie Poulain (Audrey Tautou), uma jovem que, ao encontrar uma caixa dentro do banheiro de seu apartamento, resolve entregá-la ao seu antigo dono. Ao ver a reação emocionado do homem, ela passa a realizar pequenos gestos de bondade com as pessoas à sua volta. O longa, que fala sobre amor, de diversos tipos e níveis, tem uma paleta de cores muito interessante (lembre-se de falar sobre isso na roda de amigos), com cores quentes e alegres, empregadas para dar a impressão de estamos vendo pinturas em movimento. O visual é incrível. A película se concentra em mostrar que os pequenos gestos da vida são os que mais importam, transbordando bondade e leveza. Se você conseguir se manter acordado até o final, certamente sairá da experiência mais “cult” e ganhará vários likes ao fazer posts sobre o filme nas redes sociais!


  • Ela (2013), de Spike Jonze

O mais novinho da lista. Nesse ótimo filme de Spike Jonze, acompanhamos a história de Theodore (Joaquin Phoenix), um homem que, após se separar daquela que acreditava ser a mulher de sua vida (Rooney Mara), se vê só e vivendo um dia após o outro, numa melancolia sem perspectivas de melhora. No entanto, tudo muda quando o nosso protagonista instala um novo sistema operacional em seu computador, que vem com uma assistente pessoal no estilo Siri, só que bem mais avançada – e com a voz da Scarlett Johansson. Obviamente, não demora muito para que o solitário Theodore se apaixone pela moça virtual, uma vez que ela fala o que ele quer ouvir, sendo tudo aquilo que ele precisa para superar a tristeza que carrega. Sim, o filme é fantástico. E, mais do que isso, após assisti-lo, você terá uma boa bagagem para poder discutir sobre os relacionamentos humanos, a necessidade que as pessoas têm de serem amadas e o futuro da tecnologia. Um prato cheio, não é mesmo? Mas, mais do que isso, ainda está rolando na internet a teoria de que Ela e Encontros e Desencontros, filme de Sofia Coppola, se conversam, uma vez que os dois diretores já foram casados. Você não vai querer perder esse debate, né?


  • Pulp Fiction: Tempo de Violência (1994), de Quentin Tarantino

É, temos que ter Quentin Tarantino aqui. Pulp Fiction, o segundo longa do diretor, é um fenômeno pop que, mesmo tendo sido lançado há quase 25 anos, segue sendo um dos filmes mais referenciadas do cinema. E, talvez, mesmo com os esforços de Tarantino de superá-lo, essa ficará para a eternidade como a sua grande obra. O longa segue uma narrativa não-linear que, após o seu eficiente uso pelo diretor, se popularizou nos anos seguintes. O filme nos apresenta personagens memoráveis como Vincent Vega (John Travolta), Jules Winnfield (Samuel L. Jackson), Mia Wallace (Uma Thurman) e Mr. Wolf (Harvey Keitel), com muitos de seus momentos no longa sendo destacados até hoje, como a dança de Vincent e Mia ou o discurso bíblico de Jules. Violento, pop, com diálogos afiados e personagens inesquecíveis, além de ter Tarantino como diretor… Faltou alguma coisa para você assistir a Pulp Fiction? Ah, e não esqueça de comprar uma camiseta do filme, vai fazer sucesso!


E aí, qual outro filme você acrescentaria à lista? Deixe nos comentários!


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Curta a nossa página no Facebook!

The following two tabs change content below.
Jornalista e radialista, é um dos fundadores do Bode na Sala. Tem 25 anos, se orgulha de ter nascido em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul, e, atualmente, mora em Porto Alegre. Trabalhou em todas as áreas que se pode imaginar, mas acabou caindo no submundo geek. É fã do Jim Carrey, acha que o Ben Affleck é o melhor Batman do cinema, não suporta pseudo-cultismo e pretende dominar o mundo.

Comments

  1. Kra … como eu odeio este filme “Donnie Darko”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *