Bode na Sala
Críticas Destaque Filmes

A Morte Te Dá Parabéns | Crítica

Confira a opinião de Rafael Bernardes sobre o terror!

A Morte Te Dá Parabéns | Crítica

A Morte Te Dá Parabéns (Happy Death Day)

Ano: 2017

Roteiro: Christopher Landon, Scott Lobdell

Direção: Christopher Landon

Elenco: Jessica RotheBilly SlaughterCharles AitkenIsrael BroussardJames Miller, Jason BayleRachel Matthews, Ruby Modine

Filmes de terror com a pegada de Pânico e Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado fizeram muito sucesso nos anos 1990 e início dos anos 2000. Volta e meia, vemos longas tentando ressuscitar esse tipo de trama. Ao mesmo tempo, nos últimos anos, apareceram longas que se baseiam em Feitiço do Tempo, quando uma pessoa fica presa em um determinado dia. Em 2017, já tivemos Antes Que Eu Vá, contendo essa premissa e tentando reinventá-la, mas pecando e apresentando diversos clichês.

Em A Morte te Dá Parabéns, a trama conseguiu ser ainda mais genérica, por sugar partes dessas duas premissas e tentar fazer um filme de terror com isso. A história gira em torno de Tree (Jessica Rothe), uma jovem mimada e aparentemente com uma vida confortável, preocupada com status e popularidade na universidade em que estuda. Ela acorda na casa de um estranho após beber demais na noite anterior. A partir daí, a menina começa a viver esse dia diversas vezes, mas acaba morrendo sempre por conta de um serial killer que a persegue.

O início do primeiro ato parece ser promissor, trazendo um suspense interessante e o mistério sobre quem é o assassino. Porém, quando a história avança e os dias começam a se repetir, o roteiro desanda. Existem diversos furos, incongruências e o longa não respeita a verossimilhança, quebrando suas próprias regras. Fatos sérios ocorrem sem que haja punições e nem informações sobre investigações. Informações são inseridas e esquecidas minutos depois. A produção consegue entregar um dos terceiros atos mais vergonhosos do ano! O ridículo é abraçado parcialmente, mas não ameniza os diversos problemas na construção da história.

O filme possui o gênero terror, mas não entrega os atributos necessários. No início há o suspense, o gore e alguns jumpscares mal colocados. Do meio para o final, o longa vira uma comédia nonsense pastelona, em que nada pode ser levado a sério. Porém, há a aposta no drama pessoal da protagonista, o que não bate de encontro com o clima de comédia tomado ao decorrer da história. O pior é que poucas piadas realmente funcionam. O humor acaba sendo involuntário, quando rimos de coisas que são tão ruins que ficam engraçadas.

Há pontos positivos, como a interpretação de Jessica Rothe, convencendo quando precisa transmitir os sentimentos da personagem, mas, principalmente quando é necessário passar certa dramaticidade. Além dela, Israel Broussard também entrega um bom trabalho, passando a ingenuidade necessária. Porém, a construção dos personagens não é bem realizada, apegando-se em estereótipos batidos.

A direção de Christopher Landon é bem realizada em quase toda a obra, mas peca pelo excesso de jumpscares acompanhados de uma trilha sonora exagerada. O susto não é posto com imagens, mas sim com o “sobe som”, incomodando o espectador de forma negativa. A Morte Te Dá Parabéns não pode ser considerado como um filme de terror por completo, possui diversos furos de roteiro gravíssimos e inconsistências narrativas. A mise-en-scène atribui pontos positivos, mas longe de salvar o conjunto da obra. Uma piada realizada no final é realmente boa, confirmando o clima pastelão da obra. Um longa ruim, com diversos problemas técnicos, que acaba sendo engraçado quando não deveria ser.

Nota do crítico:

Nota dos usuários:

[Total: 1    Média: 5/5]

The following two tabs change content below.
Estudante de Jornalismo, formado em Programação. Fanático por Cinema, começou a gostar mesmo da sétima arte depois de velho. Estuda por conta própria e pretende seguir “carreira” como Crítico de Cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *