Bode na Sala
Especiais Filmes

Especial | 10 atores em atividade que também são bons diretores de cinema

10 artistas que mandam bem em frente e atrás das câmeras!

Especial | 10 atores em atividade que também são bons diretores de cinema

Sempre que pensamos em atores que também dirigem filmes, logo lembramos de Clint Eastwood, Mel Gibson, Sofia Coppola, Kevin Costner e Robert Redford, além dos saudosos Charles Chaplin, Orson Welles, Jerry Lewis e Gene Kelly, é claro. No entanto, tem uma galera que começou atuando e, agora, também está dirigindo longas bem interessantes, mas sem deixar de aparecer em frente às câmeras.

Sendo assim, separamos 10 atores em atividade que também são bons diretores de cinema. Confira:


  • Ben Affleck

Ben Affleck dirigindo Argo, de 2012

Sempre questionado como ator, lá em 1997 Ben Affleck mostrou que seu talento principal não era em frente às câmeras. Ao lado de Matt Damon, escreveu o roteiro de Gênio Indomável, que foi premiado com um Oscar. Dez anos mais tarde, o ator fez sua estreia atrás das câmeras, dirigindo Medo da Verdade, elogiado suspense estrelado por seu irmão Casey. E Affleck pegou gosto pela coisa. A partir de então, resolveu, também, protagonizar todos os seus longas. Em 2010, comandou o ótimo Atração Perigosa. Dois anos depois, entregou Argo, que foi premiado com nada menos que o Oscar de Melhor Filme do ano, consagrando-o como o grande cineasta que é. Em 2016, no entanto, Affleck deu o seu primeiro tropeço, dirigindo A Lei da Noite, o seu projeto dos sonhos que, infelizmente, não ficou tão bom. Mas ele tem muito crédito na casa, né? Por isso, já estamos esperando ansiosamente por Witness for the Prosecution, seu próximo projeto como diretor.


  • Jon Favreau

Jon Favreau dirigindo Robert Downey Jr. em Homem de Ferro, de 2008

Quem não conhece Jon Favreau acredita que ele seja só o Happy Hogan das produções da Marvel. Mas, gente, não. O ator foi diretor de Homem de Ferro, o filme que deu o pontapé inicial na saga dos Vingadores nos cinemas. E, ainda, comandou Homem de Ferro 2. Tá, ok, não foi tão bom assim, mas não foi ruim. Favreau, que atua desde o início dos anos 1990 – inclusive, foi namorado da Monica, em Friends –, já vinha da direção de alguns longas para a TV, até que estreou nos cinemas com Crime Desorganizado, em 2001. Em 2005, lançou o divertido Zathura: Uma Aventura Espacial. Depois de focar nas aventuras de Tony Stark, em 2008 e 2010, partiu para Cowboys & Aliens, em 2011, e, né, não vale a pena se aprofundar nisso. Mas ele se redimiu logo depois, dirigindo e protagonizando o querido Chef, em 2014, e com o excelente – e praticamente bilionário – Mogli: O Menino Lobo, em 2016. Agora, depois do seu último sucesso, o diretor já assinou um novo contrato com a Disney e também comandará a versão live action de O Rei Leão, que sai em 2019.


  • Ben Stiller

Ben Stiller comandando Trovão Tropical, de 2008

Conhecido pela extensa lista de comédias em que atua, Ben Stiller também é um interessante diretor de cinema, apesar de não ter assinado tantas produções. O comediante, que comandou vários episódios em séries de TV, fez sua estreia nas telonas com Caindo na Real, produção em que também protagoniza ao lado de Winona Ryder e Ethan Hawke, lá em 1994. Dois anos mais tarde, ele dirige O Pentelho, comédia com Jim Carrey que divide opiniões – alguns amam, outros odeiam fortemente. Em 2001, Stiller realizou Zoolander, divertida comédia estrelada por ele mesmo e Owen Wilson. Depois de seis anos sem sentar na cadeira de diretor, o comediante realizou o seu melhor longa-metragem, até então: Trovão Tropical, excelente comédia em que ele é personagem principal e tem, em seu grande elenco, nomes como Jack Black e Robert Downey Jr. – que, inclusive, foi indicado ao Oscar por seu papel no filme. Já em 2013, Stiller deixa a comédia um pouco de lado e investe em um drama chamado A Vida Secreta de Walter Mitty, que acabou não sendo tão bem recebido, mas é um bom, divertido e sensível filme. Três anos depois, o ator resolve lançar Zoolander 2, sequência de seu sucesso de 2001, mas que foi um desastre.


  • Selton Mello

Selton Mello dirigindo O Filme da Minha Vida, de 2017

Desde criança atuando em novelas e séries da televisão brasileira, Selton Mello, com o passar dos anos, foi fazendo escolhas cada vez mais interessantes em sua carreira, desde os seus papéis no cinema (Meu Nome Não é Johnny, O Auto da Compadecida, O Cheiro do Ralo, por exemplo) e nas dublagens (como esquecer de sua voz em Karatê Kid e em Irmão Urso?). No entanto, o seu principal acerto foi ter começado a dirigir longas-metragens. O ator fez sua estreia comandando Feliz Natal, elogiado e melancólico longa de 2008. Três anos depois, Selton dirigiu e atuou no excelente O Palhaço, filme escolhido, inclusive, para representar o Brasil no Oscar. Em 2017, o ator entregou o sensível O Filme da Minha Vida, uma das melhores produções nacionais do ano, em que atua ao lado do francês Vincent Cassel.


  • Mélanie Laurent

Mélanie Laurent no set de Respire, de 2014

A Shosanna de Bastardos Inglórios está há quase 20 anos atuando em filmes e séries, mas foi em 2011, então com 28 anos, que ela estreou como diretora de cinema com o bom Les Adoptés. De lá para cá, Laurent comandou o ótimo Respire, em 2014, e o elogiado documentário Amanhã, em 2015. Neste ano, ela lançará o drama Plonger. Como atriz, além de seu inesquecível papel no filme de Tarantino, a jovem francesa participou de longas como Truque de Mestre, O Homem Duplicado, Toda Forma de Amor e À Beira Mar, que é dirigido por Angelina Jolie, também presente nessa lista.


  • Denzel Washington

Denzel Washington no set de Um Limite Entre Nós, de 2016

Dono de uma carreira bem versátil e invejável, Denzel Washington deu vida a personagens muito diversos, que vão desde um pai que sequestra um hospital só para salvar seu filho a um gângster perigoso e temido de Nova York. Feito o sucesso como ator, Denzel decidiu tentar a sorte na cadeira de diretor. O primeiro fruto na função saiu em 2002, com o filme Voltando a Viver, elogiado longa que conta a história real do marinheiro Antwone Fisher, interpretado aqui por Derek Luke; e Denzel até atuou no filme também, provando que pode muito bem fazer as duas coisas. Em 2007 mostrou novamente seu trabalho como diretor em O Grande Desafio e agradou mais uma vez a crítica, mas não tanto o público, já que o filme fez uma bilheteria de apenas US$ 30 milhões. Porém, foi em 2016, quase 10 anos depois, que Denzel se consolidou como diretor. Nesse ano esteve à frente de um dos melhores episódios da série Grey’s Anatomy, o 9º da 12ª temporada, intitulado The Sound of Silence, e também do filme Um Limite Entre Nós, indicado a 2 Globos de Ouro e 4 Oscars, com uma das estatuetas indo para Viola Davis na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante. Denzel até foi indicado ao prêmio da Academia pelo seu papel no longa; acabou não vencendo, mas sua jornada até à premiação provou que ele ainda tem muito o que brilhar como um jovem diretor de 62 anos.


  • Sean Penn

Sean Penn dirigindo Emile Hirsch em Na Natureza Selvagem, de 2007

Reconhecido como um dos maiores atores de sua geração, Sean Penn já está há anos dirigindo filmes. Ele fez a sua estreia em 1991, com Unidos pelo Sangue, longa que reuniu nomes como Viggo Mortensen, David Morse, Dennis Hopper e Charles Bronson. Quatro anos depois, comandou Acerto de Contas, que foi estrelado por ninguém menos que Jack Nicholson. Em 2001, Penn voltou a dirigir Nicholson em A Promessa. Após passar seis anos sem estar atrás das câmeras, o cineasta realizou aquela que, até agora, é a sua grande obra: o cultuado Na Natureza Selvagem, emocionante longa de 2007 estrelado por Emile Hirsch. Depois do drama, no entanto, Penn ficou mais nove anos sem dirigir uma produção, até que retornou com The Last Face, estrelado por sua esposa Charlize Theron e Javier Bardem. No entanto, era melhor ele ter descansado um pouco mais. Isso porque o filme foi massacrado pela crítica e vaiado fortemente no Festival de Cannes… Uma pena. Mas, gente, todo mundo gosta de Na Natureza Selvagem, né?


  • George Clooney

George Clooney dirigindo John Goodman e Jean Dujardin em Caçadores de Obras-Primas, de 2014

Desde a sua chegada definitiva aos holofotes, com a série Plantão Médico, George Clooney fez boas escolhas para a sua carreira – ok, Batman & Robin tá aí para provar que não é bem verdade isso… Mas o que importa é que, de uns anos para cá, o ator, cada vez se levando mais a sério, também resolveu sentar na cadeira de diretor e, quem diria, os seus projetos são bem interessante. Em 2002, ele fez a sua estreia comandando Confissões de uma Mente Perigosa, filme estrelado por ele mesmo, Sam Rockwell, Drew Barrymore e Julia Roberts. Três anos mais tarde, dirigiu o ótimo Boa Noite e Boa Sorte, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de Melhor Diretor. No mesmo ano, ganhou o prêmio da Academia como Melhor Ator Coadjuvante, por Syriana. Ou seja, o cara provou que manda bem por todos os lados. Em 2008, dirigiu e estrelou o mediano O Amor Não Tem Regras. Três anos depois, fez o bom Tudo pelo Poder, em que atuou ao lado de Ryan Gosling. No entanto, em 2014, atacou mais uma vez com um filme mediano, o Caçadores de Obras-Primas. Agora, em 2017, lançará Suburbicon, longa estrelado por Matt Damon e Julianne Moore que está dividindo opiniões nos festivais por onde passa.


  • Kenneth Branagh

Kenneth Branagh no comando de Thor, de 2011

Conhecido por muitos apenas como Gilderoy Lockhart, o falastrão professor de Defesa Contra as Artes das Trevas em Harry Potter e a Câmara Secreta, Kenneth Branagh começou a sua carreira como ator, mas, desde 1989, também é diretor de cinema – e dos bons. Sua primeira vez comandando um longa foi em Henrique V, o qual também protagonizou, aos 29 anos. O filme, baseado na peça de William Shakespeare, lhe rendeu duas indicações ao Oscar: Melhor Diretor e Melhor Ator. De lá para cá, o cineasta adaptou outras obras do famoso poeta inglês como Muito Barulho por Nada, Hamlet e Amores Perdidos. Em 2011, entrou no Universo Cinematográfico da Marvel e dirigiu Thor, utilizando muitos elementos shakespearianos, mas, mesmo assim, não ficou tão bom. Já em 2015, comandou a versão live action de Cinderela para a Disney, que foi um grande sucesso de bilheteria. Em 2017, lançará O Assassinato no Expresso do Oriente, longa baseado no romance de Agatha Christie que, além de dirigir, protagonizará ao lado de nomes como Johnny Depp, Michelle Pfeiffer, Judi Dench, Penélope Cruz e Willem Dafoe.


  • Angelina Jolie

Angelina Jolie comandando Invencível, de 2014

Uma das mulheres mais famosas do cinema contemporâneo, Angelina Jolie já trabalhou em filmes premiados, em fracassos de crítica, de público, já se envolveu em polêmicas e esteve em um dos casamentos mais conhecidos do mundo. Filha de Jon Voight, o cinema sempre fez parte dela, tendo começado a atuar logo quando criança. Mas foi somente no fim dos anos 1990 que ela alcançou o estrelato. No entanto, Jolie queria mais. Foi quando, em 2007, a atriz se lançou como diretora com o documentário A Place in Time, que não foi bem recebido. Jolie não desistiu e dirigiu seu segundo filme, Na Terra de Amor e Ódio, um drama de guerra que, mais uma vez, não teve uma boa recepção e foi um fracasso de bilheteria. Porém, em 2014 veio sua redenção como diretora: Invencível foi um sucesso comercial e de crítica, chegando até a receber três indicações ao Oscar de 2015. No mesmo ano, Jolie e seu ex (?) marido, Brad Pitt, estrelaram À Beira Mar, um longa dirigido por ela, que mostra um casal em crise tentando reatar (a vida imita mesmo a arte). Mas o filme não obteve sucesso, pelo contrário, deu foi prejuízo. Seu melhor momento como diretora veio em 2017, com Primeiro, Mataram Meu Pai, filme cambojano da Netflix que vem sendo aclamado por muita gente, inclusive, foi até escolhido pelo Camboja como o representante do país no Oscar 2018. Dá pra dizer que ela finalmente se encontrou, não é mesmo?


Bônus:

  • James Franco

James Franco dirigindo O Som e a Fúria, de 2014

James Franco pode não ter nenhum filme relevante em sua carreira como diretor – até a chegada de The Disaster Artist, que está sendo bem elogiado aonde é exibido –, mas ele é, provavelmente, o cineasta em atividade que mais está produzindo. Para se ter uma ideia, apenas em 2017, ele comandou quatro longas, sendo que três deles ainda não foram lançados. Para 2018, o diretor já tem mais dois em pós-produção. Além disso, Franco segue atuando em muitas produções, entre as suas próprias, as de outros cineastas e elogiadas séries de televisão.


E aí, faltou gente nessa lista, né? Qual outro ator que está em atividade e que você considera um bom diretor? Deixe nos comentários!


Especial elaborado com a colaboração de João Vitor Hudson.

 

The following two tabs change content below.
Jornalista e radialista, é um dos fundadores do Bode na Sala. Tem 25 anos, se orgulha de ter nascido em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul, e, atualmente, mora em Porto Alegre. Trabalhou em todas as áreas que se pode imaginar, mas acabou caindo no submundo geek. É fã do Jim Carrey, acha que o Ben Affleck é o melhor Batman do cinema, não suporta pseudo-cultismo e pretende dominar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *