Bode na Sala
Filmes Notícias

Estudo revela que notas no Rotten Tomatoes não afetam bilheteria dos filmes

Estudo revela que notas no Rotten Tomatoes não afetam bilheteria dos filmes

Nos últimos meses, um debate sobre a influência do agregador de notas Rotten Tomatoes na indústria cinematográfica tomou conta da internet. Alguns estúdios e diretores alegaram que o site prejudica a performance comercial dos filmes (aqueles que ganham notas baixas, no caso, não conseguem um bom desempenho). No entanto, de acordo com uma pesquisa feito pela Universidade do Sul da Califórnia, a plataforma não afeta em nada a arrecadação das produções.

O estudo, liderado pelo engenheiro e analista de dados Yves Bergquist, mostrou que não passa de um mito a ideia de que Rotten Tomatoes afeta a bilheteria dos filmes. Para chegar à essa conclusão, ele aplicou um Coeficiente de Correlação Produto-Momento entre os filmes que mais arrecadaram em 2017 e suas avaliações no site. A equação demonstrou uma correlação de apenas 12%, provando que o agregador não afeta as produções nem positivamente nem negativamente.

De acordo com Bergquist, o que existe é uma proximidade entre a avaliação do público e as críticas profissionais, revelando um indício de que os espectadores estão conseguindo identificar mais facilmente os filmes ruins.

O estudo também aponta que críticos estão mais gentis com filmes que lucraram mais de US$ 300 milhões mundialmente. A média das notas do Rotten Tomatoes subiu para 77.5 em 2017. Em 2013, era 73.

“Não tem virtualmente diferença nenhuma entre as notas de críticos e da audiência e, quanto mais bem sucedido for o filme na bilheteria, menor é essa diferença. O que quer dizer que as audiências estão se tornando experts em farejar um filme ruim e se afastar”, disse Bergquist.

Gráfico mostra a correlação entre a avaliação do público e da crítica no geral e em grandes produções.

O estudo completo pode ser lido aqui.

The following two tabs change content below.
Jornalista e radialista, é um dos fundadores do Bode na Sala. Tem 26 anos, se orgulha de ter nascido em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul, e, atualmente, mora em Porto Alegre. Trabalhou em todas as áreas que se pode imaginar, mas acabou caindo no submundo geek. É fã do Jim Carrey, acha que o Ben Affleck é o melhor Batman do cinema, não suporta pseudo-cultismo e pretende dominar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close