Bode na Sala
Críticas Netflix Séries

BoJack Horseman – 4ª temporada | Crítica

BoJack Horseman – 4ª temporada | Crítica

BoJack Horseman – 4ª temporada

Ano: 2017

Criador: Raphael Bob-Waksberg

Elenco: Vozes de Will Arnett, Amy Sedaris, Alison Brie, Paul F. Tompkis e Aaron Paul

Com o passar dos anos, BoJack Horseman ficou reconhecida pela sua honestidade e sobriedade ao tratar de temas sérios como depressão, autodestruição, vazio existencial e perdas, intercalando-os com seu senso de humor negro e, muitas vezes, bobo.  O novo ano da série não empalidece em relação aos anteriores e honra a sua reputação.

Iniciando do ponto em que a última temporada parou, BoJack Horseman (voz de Will Arnett em um trabalho vocal surpreendentemente expressivo) foge mais uma vez de seus problemas após a morte da única pessoa que o compreendia. Parecia impossível, mas a série consegue se aprofundar ainda mais no seu protagonista. No sexto episódio, Seu estúpido de m***a, somos convidados a acompanhar os dias de BoJack ouvindo os seus pensamentos, sua autodepreciação é nociva: todas as suas ações são seguidas de comentários terríveis que servem para mostrar que seu maior inimigo é ele mesmo.

Com o desaparecimento de BoJack, Diane (voz de Alison Brie) parece ser a única a se importar com a ausência dele; seu casamento com o Mr. Peanutbutter (voz de Paul F. Tompkins) enfrenta um momento difícil com a candidatura dele à governador da Califórnia. A série aproveita o conturbado cenário político norte-americano para não só mostrar o nível de ridículo que os candidatos se submetem, mas para mostrar também como os eleitores são influenciáveis e fúteis ao mudar o voto repetidas vezes por razões ínfimas.

Todd (voz de Aaron Paul) também parece não sentir falta de BoJack. Ainda ressentido por todas as vezes que o amigo o prejudicou no passado, Todd passa por diversas mudanças nessa temporada ao se rotular como assexual, finalmente explorando essa parte da sua vida. Princess Carolyn (voz de Amy Sedaris) luta para conseguir formar uma família com o homem dos seus sonhos, mas o seu trabalho e um dificuldade  pessoal se tornam empecilhos na sua felicidade.

Depois de superar o luto e voltar para Hollywoo, BoJack deve lidar com uma nova gama de problemas. No centro dela está Hollyhock Mannheim-Mannheim-Guerrero-Robinson-Zilberschlag-Hsung-Fonzarelli-McQuack  (voz de Aparna Nancherla), uma adolescente de 17 anos que diz ser sua filha. Paternidade é algo novo na vida do ator e, por mais focado que ele esteja em não estragar as coisas, sua natureza é mais forte. Mais tensão familiar surge quando Beatrice Horseman (voz de Wendy Malick) é obrigada a morar em sua mansão, a péssima relação entre mãe e filho é agravada pelo estado de saúde frágil no qual ela se encontra.

O passado é o elemento mais importante desta temporada. Nos anos anteriores testemunhamos a infância de BoJack e os maus tratos que ele sofria em casa a partir da perspectiva dele, agora vemos a partir do ponto de vista da sua mãe. Beatrice cresceu nos anos 40, uma época onde mulheres não tinham espaço na sociedade e eram vistas apenas como um objeto, ela sofreu perdas irremediáveis na Segunda Guerra Mundial e toda a seu nível de educação foi obtido contra a aprovação do pai dela. Ao longo dos episódios, sem tentar justificar as suas ações, a série desenvolve Beatrice de uma criança inocente até uma mulher amarga e cheia de arrependimentos.

Apesar de todo o drama, a animação não esquece sua raiz satírica e não perde nenhuma chance de criticar Holywood. De remakes com protagonistas desnecessários à obsessão com a vida pessoal de celebridades, a quarta temporada também alfineta o mundo da moda, as eleições e os reality shows.

Acertando ao quebrar o ciclo de autodestruição de BoJack Horseman e deixar que ele tome boas decisões algumas vezes, seria repetitivo fazer com que BoJack repetisse em todos os episódios a sua sabotagem e nunca aprendesse com seus erros. A série finaliza outro ano se consagrando como uma das animações mais relevantes no ar e como um indispensável estudo de personagem e de sociedade.

Nota do crítico:

Nota dos usuários:

[Total: 4    Média: 4.5/5]

 

The following two tabs change content below.
Estudante de jornalismo, tem 18 anos e é assistidor de séries semi profissional. Fissurado em cinema desde sempre, nunca trabalhou na área e é adepto ao estilo sul-coreano de vingança.

Comments

  1. Bacana o seu texto, Diegão.
    Sabe se vão fazer mais alguma temporada? Ou a história fecha nessa quarta?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close