Bode na Sala
Críticas Séries TV

Game of Thrones – 7×03: The Queen’s Justice | Crítica

Game of Thrones

Game of Thrones – 7×03: The Queen’s Justice | Crítica

Game of Thrones – 7ª Temporada

Ano: 2017

Criadores: David BenioffD.B. Weiss

Elenco: Peter DinklageKit Harington, Emilia ClarkeLena HeadeyNikolaj Coster-WaldauSophie Turner

Em meio a vingança, traições e novos questionamentos, este terceiro episódio se inicia logo de cara com o tão esperado encontro entre Daenerys e Jon. Ambos os personagens foram os que mais cresceram durante à série em relação a sua importância. Ambos conquistaram papéis de liderança após ficarem nas sombras de seus irmãos. Ambos são poderosos comandantes, mas apenas Kit Harington conseguiu crescer com seu personagem em relação à atuação. É gritante a diferença entre os dois em cena. Em uma troca de diálogos bem tensa, Harington consegue se expressar bem com o olhar, passando todo o medo de falhar com seus apoiadores. Emilia só consegue fazer o mesmo carão de sempre, sem sentido em vários momentos. Há uma forte queda de nível, mas, felizmente, isso não é totalmente prejudicial para a personagem.

Em Porto real vemos euforia através do povo nas ruas, comemorando a captura de Ellaria Sand e sua filha, além de Yara Greyjoy, hostilizando-as em sua caminhada da vergonha pela cidade. Cersei (Lena Headey) é a personagem mais poderosa de toda a série, desde a sua atuação até seu texto. O episódio poderia se chamar claramente: The Queen in Revenge. O impacto de Lena atuando é tão forte, que ficamos paralisados em frente à TV. Como ela encara suas inimigas se deliciando em vingança é de estremecer um Lannister sempre paga suas dívidas, e aparentemente, sempre tem o que quer.

Durante um belo ataque dos Imaculados a Casterly Rock narrado por Tyrion (Peter Dinklage), descobrimos que o local era uma isca para deixar pontos estratégicos desprotegidos. Isso foi uma bela sacada dos roteiristas, visto que Rob Stark tinha feito a mesma estratégia contra Jaime Lannister (Nikolaj Coster-Waldau) temporadas atrás. Trazendo assim mais um questionamento: quem está traindo a “Mãe dos Dragões”? Os Leões largam na frente e devoram vários inimigos sem misericórdia.

O excelente ritmo do episódio nos leva entre núcleos de uma forma orgânica, dando a entender bem a passagem de tempo. Os Starks têm de volta um dos seus irmãos desaparecidos, Bran (Isaac Hempstead Wright), que retorna como “O Corvo de três olhos” com um olhar distante, como se o tempo não fizesse mais diferença para ele. É importante observar que o mesmo parece não ter mais esperança, sem sorrisos para seus familiares e com um enorme peso nas costas. Sam consegue curar Jorah de sua doença mortal fazendo com que o cavaleiro leal retorne para sua rainha para lutar ao seu lado.

The Queen’s Justice nos vem como um episódio bem empolgante (sem precisar exagerar), com textos bem colocados em tela e com uma Cersei mais poderosa do que nunca ela ofusca até mesmo o encontro mais esperado da série. Poderia ser o episódio perfeito se não fosse pela fragilidade de Emilia Clarke em cena. O tabuleiro da guerra dos tronos continua em movimento e algumas peças já foram eliminadas, agora é aguardar e observar de quem será a próxima jogada.

Nota do crítico:

Nota dos usuários:

[Total: 1    Média: 5/5]

The following two tabs change content below.
Estudante de jornalismo, cearense, 23 anos, tem três empregos e se arrisca como fotografo iniciante. Apaixonado por cinema, quadrinhos, Tolkien e ficção científica. Kubrick maior de todos, Nolete assumido e pai de um cachorro Jedi que vive querendo ir pro lado negro da força. DC rainha, Marvel nadinha.

Latest posts by Ítalo Passos (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *