Bode na Sala
Críticas Filmes

Mar Inquieto | Crítica

Mar Inquieto | Crítica

Mar Inquieto

Ano: 2016

Direção: Fernando Mantelli

Roteiro: Fernando Mantelli

Elenco: Rita GuedesDaniel BastreghiÁurea BaptistaMiguel LunardiMarcos ContrerasEri Johnson

 

A sinopse de Mar Inquieto conta que sua protagonista (Anita, interpretada por Rita Guedes) mora num local repleto de lendas paranormais e de vozes que vem do mar, mas que seu pior pesadelo está dentro de casa, e é seu marido Vitorino (Daniel Bastreghi). A uma primeira instância, é de se imaginar que esta é uma história interessante e que deva valer a pena conhecer, mas não é bem o que acontece.

Um universo fantástico, apesar de fantástico, necessita possuir verossimilhança. Se uma fantasia não é verossímil, a estória contada vai por água abaixo. O que mais acontece em Mar Inquieto é apresentar fatos interessantes sobre seus personagens, mas que são extremamente mal desenvolvidos, e toda a verossimilhança não parece existir na trama.

Anita é, de longe, a personagem com mais desenvolvimento. Rita Guedes até colabora com sua personagem, dando uma atuação aceitável, mas tudo muda quando o roteiro nos leva ao seu passado. A atriz não consegue passar credibilidade como uma drogada que é muito julgada pela sociedade; mesmo a direção dessas cenas de flashback é ruim, com uma música trance de background deixando esses momentos à beira do ridículo. Não se sabe onde Fernando Mantelli quer chegar com tudo isso.

Daniel Bastreghi também não convence em suas cenas. O background de seu personagem é o de um homem bruto, que violenta sua esposa e não está nem aí para as coisas que lhe são alheias. Apesar de o filme possuir cenas que mostram isso, tudo soa artificial demais, e o ator não consegue entregar o personagem que o roteiro pede.

Apesar das péssimas atuações de seu elenco, é perceptível que o filme possui boas intenções. Aparentemente, a ideia aqui era realizar um filme que flertasse com muitos gêneros. Ficção científica, terror, suspense, drama… O filme passa por todos esses gêneros. É clara a influência de Twin Peaks no que se refere a isso, mas nenhum gênero é bem desenvolvido. O roteiro volta e meia vai e volta no suspense, mas a mudança de tom é constante e muito cansativa.

Com uma bela fotografia acinzentada e esfumaçada, e apresentando belos planos envolvendo o litoral gaúcho (local onde o filme foi filmado), Mar Inquieto é um exemplo de como misturar gêneros demais pode acabar estragando uma ideia ótima no papel, que só foi mais piorada ainda com sua edição à la Esquadrão Suicida, deixando o longa com cara de apenas um trailer bem gigante.

Nota do crítico

Nota dos usuários

[Total: 1    Média: 4/5]

The following two tabs change content below.

João Vitor Hudson

João Vitor Hudson é um editor de vídeos que está se formando em Publicidade & Propaganda aos 21. Ama cinema desde quando desejava as férias escolares só pra assistir todos os filmes do Cinema em Casa e da Sessão da Tarde. Ainda não possui o hábito de ver filmes de terror e é um pouco leigo quando se trata de cinema nacional, mas é um carinha boa praça que não dispensa ver um filme. Fã confesso do Nolan, Aronofsky e da Pixar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *