Bode na Sala
Críticas Filmes

Crítica | Moonlight – Sob a Luz do Luar

Crítica | Moonlight – Sob a Luz do Luar

Pôster e crítica de Moonlight: Sob a Luz do Luar, forte candidato ao OscarMoonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight, 2016)

Direção: Barry Jenkins

Roteiro: Barry Jenkins

Elenco: Mahershala AliNaomi HarrisTrevante RhodesAlex R. HibbertAshton SandersJanelle MonaeAndré HollandJharrel Jerome

Por Carlos Redel

Qual é o seu lugar no mundo? Quem você realmente é? Como ser aceito? Como se aceitar? Moonlight: Sob a Luz do Luar é uma obra que, trabalhando nas sutilezas, traz essas reflexões. Dirigido por Barry Jenkins, que tem em seu currículo apenas o pouco conhecido Medicine for Melancholy, de 2008, o filme consegue apresentar uma perspectiva linda sobre a vida e a diferença entre o que escolhemos e o que não podemos escolher, de maneira quase poética.

O longa, baseado na peça In Moonlight Black Boys Look Blue, de Tarell McCraney, conta a história de Chiron, em três momentos de sua vida. O personagem, na infância apelidado de Little (Alex R. Hibbert), sofre com a intolerância das outras crianças, que o consideram diferente. Fugindo desse drama, ele recebe o apoio de Juan (Mahershala Ali), um traficante local, e sua esposa Teresa (Janelle Monae). Ao mesmo tempo que constrói uma amizade forte com o casal, recebendo apoio e carinho, vê sua mãe Paula (Naomi Harris, impecável) se viciando em drogas para fugir dos problemas do cotidiano.

E é no primeiro terço do longa que está o seu grande trunfo: o contato da criança com o traficante, geralmente associado com violência e masculinidade, e, desta relação, surgir conforto e esclarecimento. O jovem Hibbert nos permite enxergar a alma de Little, apenas com o seu olhar arrebatador. Ali, por sua vez, mesmo com uma rápida (mas de extrema importância) participação, consegue se fazer marcante, em uma atuação que, certamente, é a melhor de sua carreira. Até agora. As cenas em que Little e Juan estão juntos são lindas, cheias de significado e com uma força estrondosa, mesmo sendo de delicadeza incrível.

Passamos, assim, para um adolescente Chiron (Ashton Sanders) que, aos 16 anos, continua sendo perseguido por intolerantes da escola e que teve que enfrentar uma tragédia, mas que não descamba para um melodrama. E é neste período em que o jovem acaba vivendo situações que moldarão sua vida para sempre, tanto no quesito de sua sexualidade, ao lado de de seu amigo Kevin (Jharrel Jerome), quanto ao lidar com aqueles que lhe atormentam. Sanders não é tão inspirado e sutil quanto o seu antecessor, mas consegue entregar um bom complemento ao personagem.

Ao chegar na fase adulta, dessa vez assumindo o codinome Black (Trevante Rhodes, ex-atleta e agora um ator incrível), o personagem se transforma naquilo que o meio lhe impôs. No entanto, de baixo da casca por ele criada para evitar os confrontos que o mundo lhe mandava, ainda existe a mesma pessoa frágil que habitava em Little. E é nesse universo que o personagem precisa encontrar a si mesmo. Para isso, ressurge Kevin (vivido na fase adulta por André Holland), sendo definitivo em sua jornada de autodescoberta.

Jenkins, ao iniciar o seu trabalho, trata de deixar a câmera sempre instável e faz uma abertura excepcional ao dar destaque a Mahershala Ali. Após um início em que reforça a confusão na cabeça de uma criança que está perdida, ele passa a dar ênfase às expressões dos atores, mostrando com sucesso sempre aquilo que está dentro, mas que é demonstrado do lado fora. Cada olhar e cada palavra não dita carregam uma mensagem absurdamente linda.

Com uma trilha sonora marcante e uma fotografia de tirar o fôlego, mostrando Miami de um ponto de vista pouco explorado, Moonlight é um filme delicado, sutil e extremamente forte. Imprescindível para todos que apreciam o bom cinema. Um elenco inspirado e um promissor diretor, agregados a um roteiro excelente, fazem deste um dos grandes longas de 2016. Mas, além disso, uma obra que serve de referência para aqueles que se sentem sozinhos e querem encontrar o seu lugar no mundo.

Nota: 9/10

The following two tabs change content below.

bodenasala

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *